Bolsas nos EUA fecham no azul com setor manufatureiro

As bolsas dos Estados Unidos subiram nesta segunda-feira, após novos dados econômicos sólidos, mas fecharam longe das máximas do dia, com players vendendo ações de bancos após alerta de um diretor do Fed sobre potenciais perdas em crédito a imóveis comerciais.

REUTERS

02 de novembro de 2009 | 20h16

O índice Dow Jones subiu 0,79 por cento, a 9.789 pontos. O Standard & Poor's 500 avançou 0,65 por cento, a 1.042 pontos. E o Nasdaq Composite ganhou 0,20 por cento, a 2.049 pontos.

Dados sobre o setor manufatureiro e vendas pendentes de residências nos EUA levaram os índices a subirem mais de 1 por cento no início da sessão.

O crescimento do setor fabril em outubro para o maior patamar em três anos e meio impulsionou as ações do setor industrial e de materiais, com os índices S&P Industrials e o S&P Materials subindo mais de 1 por cento.

Comentários do diretor-adjunto da Divisão de Supervisão e Regulação Bancária do Federal Reserve, Jon Greenlee, de que bancos nos EUA ainda enfrentam risco de perdas potenciais em empréstimos imobiliários comerciais, contudo, justificaram vendas de papéis de bancos.

O índice de bancos KBW subiu 0,9 por cento, bem abaixo do ganho superior a 3 por cento verificado mais cedo. As ações do Citigroup Inc caíram 2,4 por cento, para 3,99 dólares.

A alta menor do Nasdaq refletiu o impacto da queda das ações da Research In Motion, fabricante do BlackBerry, que terminaram em queda de 5 por cento, a 55,74 dólares, após um investidor recomendar as vendas das ações.

O papel da Ford Motor Co subiu 8,3 por cento, após a montadora reportar um lucro acima do esperado por Wall Street no terceiro trimestre e afirmar que espera ser "solidamente lucrativa" em 2011.

(Por Chuck Mikolajczak)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.