Bolsas operam em baixa nos EUA; petróleo e imóveis pesam

As perdas acentuaram-se após a divulgação de queda de 1% na venda de imóveis residenciais em abril

Patrícia Fortunato, Agência Estado

23 de maio de 2008 | 12h41

As bolsas norte-americanas operam em queda nesta sexta-feira, 23, mais uma vez sob pressão do petróleo, que opera acima de US$ 133,00 por barril. As perdas nos mercados acionários acentuaram-se após a divulgação de que, em abril, a venda de imóveis residenciais usados caiu 1%, para taxa anual de 4,89 milhões. O declínio foi menor que o esperado - analistas esperavam recuo de 1,4% -, mas os investidores observam também a queda de 8% (em abril ante abril de 2007) nos preços médios dos imóveis e o aumento de 10,5% nos estoques de imóveis disponíveis para vendas. Por volta das 12h10, o índice Dow Jones recuava 0,86%, O Nasdaq operava com baixa de 0,84% e o S&P 500 caía 1,01%.  Entre as blue chips, GM caía 4,99% e liderava as perdas. Os papéis da rival Ford declinavam 0,34%. A GM avalia que a greve em fábricas da American Axle & Manufacturing, que fornece produtos para picapes da montadora, resultará em perda de produção de 230 mil veículos no segundo trimestre, além de um impacto de US$ 1,8 bilhão no lucro antes de impostos.  Mas papéis do setor de varejo também concentram perdas expressivas. Wal-Mart cedia 0,98%, pois os elevados preços do petróleo criam temores de redução do consumo. As ações da varejista de roupas Gap caíam 2,08%. O lucro líquido da companhia subiu 40% no segundo trimestre, para US$ 249 milhões, mas as vendas recuaram 5%, para US$ 3,38 bilhões. No setor de tecnologia, Yahoo! caía 0,76%. Um dos diretores do conselho de administração da companhia renunciou porque o Yahoo! adiou encontro de acionistas. De acordo com a empresa, Edward Kozel planejava renunciar em março, mas preferiu continuar no conselho até que a Microsoft lançasse oferta de compra pelo site de buscas. Rebaixadas de equal weight para underweight pelo Morgan Stanley, as ações da Sun Microsystems caíam 4,11%.  As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsasEUApetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.