finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas relevam más notícias e sobem

Investidores já tinham antecipado dados ruins do mercado de trabalho nos EUA e partiram às compras de pechinchas

Claudia Violante, Silvana Rocha e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

08 de novembro de 2008 | 00h00

Os investidores ignoraram a elevação da taxa de desemprego nos EUA para a máxima em 14 anos em outubro assim como a queda de 240 mil vagas no mercado de trabalho e compraram ações para aproveitar as pechinchas e repor parte de suas posições excessivamente vendidas. A primeira entrevista do presidente eleito dos EUA, Barack Obama, não tirou os índices acionários em Nova York do terreno positivo. Obama disse que sua equipe vai preparar medidas contra a crise econômica e que será necessário um plano de socorro à classe média. Como há expectativas de novos cortes de juros em todo o mundo, as principais bolsas fecharam em alta na Ásia, Europa, EUA e no Brasil. O Ibovespa subiu 0,83%, aos 36.665,11 pontos. O dólar caiu 2,04%, a R$ 2,156 no balcão, após o Banco Central vender US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial. O juro janeiro de 2010 recuou a 15,21%. FRASEEmílio GarófaloConsultor da EBS Capital ao AE Broadcast Ao Vivo''Estou surpreso com velocidade de reação do BC e Fazenda. A partir de agora, o problema é de calibragem de remédios conhecidos''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.