finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bolsas sobem após reunião do Fed

BC dos EUA mantém juro e, em seu comunicado, cita crédito mais apertado, mas prevê economia em expansão

Silvana Rocha, Claudia Violante e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2008 | 00h00

O Federal Reserve dos EUA manteve os juros em 5,25%, ontem, e em seu comunicado destacou que a inflação ainda é sua preocupação principal. Também reconheceu que as condições de crédito tornaram-se mais apertadas para algumas famílias e empresas e que a correção no setor de moradias está em andamento. Apesar disso, espera que a economia continue a se expandir nos próximos trimestres. Em reação, o mercado reduziu as chances de um corte de juro nos EUA em setembro. Como o indicador de crédito ao consumidor norte-americano veio mais alto do que o previsto em junho, as bolsas acabaram se firmando em alta. A Bovespa acompanhou e subiu 1,34%, a 53.802,5 pontos. O risco Brasil caiu 6%, para 188 pontos-base. O dólar à vista encerrou em R$ 1,907 na BM&F (estável) e balcão (+0,05%). O juro de janeiro de 2010 recuou a 11,24%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.