Grupo Voto/ Divulgação
Grupo Voto/ Divulgação

Veja quem são as executivas e empresárias que vão se reunir com Bolsonaro

Isonomia salarial deve ser um dos temas do encontro, marcado depois de reuniões do presidente em que só homens compareceram; ao todo, serão 48 convidadas, dos setores da indústria e serviços

Cristiane Barbieri, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2021 | 05h00
Atualizado 29 de abril de 2021 | 11h02

O almoço do presidente Jair Bolsonaro com mulheres líderes corporativas, que acontecerá nesta sexta-feira, 30, no Palácio Tangará, em São Paulo, contará com a presença de empresárias e executivas da indústria e de serviços. Serão 48 convidadas. 

Entre elas, Dulce Pugliese, cofundadora da Amil; Janete Vaz, fundadora do laboratório Sabin; Stella Damha, sócia do grupo de construção civil Damha; Edna Onodera, fundadora da rede de franquias de estética Onoderas; Marina Willisch, vice-presidente da General Motors; Cristiane Lacerda, diretora do Carrefour; e Marly Parra, do Instituto Unidos pelo Brasil e ex-executiva da E&Y e GPA, segundo organizadores do evento. Também estão previstas a presença da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e das ministras Tereza Cristina (Agricultura), Damares Alves (Família e Direitos Humanos) e Flávia Arruda (Secretaria de Governo).

“Enviamos convites às empresas, que os repassaram às suas líderes”, diz Karim Miskulin, presidente executiva do Grupo Voto e organizadora do evento. “As mulheres estão mais bem preparadas e ocupando cargos mais importantes nas organizações ano após ano, mas ainda há uma barreira no relacionamento delas com a política e os núcleos estratégicos do poder.”

Segundo ela, a ideia do almoço nasceu a partir de sua indignação de não ver nenhuma mulher nos encontros recentes de Bolsonaro com empresários. “Liguei para o (Washington) Cinel (dono da Gocil e anfitrião de jantar no início do mês), um amigo querido, e reclamei, mas a lista estava fechada”, diz ela, que fez, então, o convite ao presidente. 

Karim imagina que uma das pautas do almoço será um pedido para que Bolsonaro sancione o projeto de lei que prevê multas a empresas que praticam discriminação salarial a trabalhadoras. Na semana passada, o presidente sugeriu que arranjar emprego pode se tornar “quase impossível” para as mulheres caso ele sancione o texto. 

“No mais, as pautas devem ser as mesmas dos grupos cuja maioria do público é masculino: reforma administrativa, tributária e vacinas”, diz ela, que não prevê qualquer constrangimento entre as convidadas e o presidente. Há vários registros de declarações misóginas feitas por Bolsonaro. 

O almoço não será cobrado. O modelo de negócios do Grupo Voto, que nasceu no Rio Grande do Sul, é de patrocínios anuais. Empresas como Carrefour, Ferrero Rocher, Souza Cruz, Dana e GM pagam um valor anual, em troca de publicidade na revista Voto e acesso a eventos como o ciclo de debates “Brasil de Ideias”, seminários locais e missões internacionais. Há também prestação de serviços de consultorias de relações institucionais. 

É um modelo parecido com o do Lide, que era comandado pelo hoje governador João Doria (PSDB). Por isso, para falar de Karim, alguns interlocutores usam o aposto “João Doria de saias”. Como ambos, há muitos que vendem serviços similares a empresas.

Para Karim, o formato do evento – sem palco e bastante informal – facilita a interlocução entre as lideranças e os políticos. “A ideia é que eles falem de igual para igual, para humanizar a figura do político”, diz. 

Segundo um patrocinador de uma grande empresa que pede para não ser identificado, os serviços da empresa de Karim são eficientes. Com as agendas dos políticos tornadas obrigatoriamente públicas, os fóruns mais discretos para encontros com empresários (com demandas como benefícios fiscais ou aprovação de leis) são pequenas reuniões antes de palestras em eventos.

“Nas gestões dos governos do PT, que eram mais intervencionistas, esses encontros eram muito importantes”, diz o executivo, para quem o Grupo Voto dança ao sabor do governo da vez. Capas recentes da revista têm o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), e o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia).

“Já fui chamada de tucana, petista e bolsonarista”, diz ela. “Somos uma empresa que nasceu fomentada pela indústria e buscamos pautas positivas nas demandas que o setor público não consegue resolver.” 

Segundo outro executivo, essa fluidez aparece também no mote do almoço. É o primeiro organizado só com mulheres - tema que está entre as "preocupações da moda" nas empresas, para ele. "Em 2019, quando houve a decisão do STF das condenações em segunda instância, quis organizar um grupo de mulheres para ir à Brasília", diz ela. "Liguei para 50. Foram oito". Para Karim, as mulheres são mais resistentes a esse tipo de encontro político. 

Aos 52 anos, casada há 32 e mãe de duas filhas, Karim é descrita por conhecidos como uma empreendedora nata e "viradora" de negócios: bate de porta em porta até levantá-los. Fundou o grupo há 13 anos em Porto Alegre, com apoio de grandes empresas com negócios na região, como Gerdau, Braskem, Souza Cruz e a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). Há quase dois mudou-se para São Paulo, para que o Voto ganhasse porte e, além das duas cidades, faz encontros também no Rio e em Brasília. 

Formada em Ciências Políticas, trabalhou na comunicação da assembleia de Porto Alegre e diz que tinha "55 chefes". Seu avô e bisavô foram prefeitos de Santo Antônio da Patrulha (RS) onde nasceu, teve tios vereadores e diz que sua mãe e tias são muito engajadas politicamente. Quatro delas (inclusive uma com 83 anos de idade e "todas vacinadas"), estarão no almoço com Bolsonaro. "Sou apaixonada por política", diz ela. "Há governos que a gente se identifica mais, outros menos, mas nasci nisso e não me vejo fazendo outra coisa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.