Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bolsonaro assina ato de nomeação de André Brandão na presidência do Banco do Brasil

Ele vai substituir Rubem Novaes; Bolsonaro, Brandão, Novaes e Guedes estiveram reunidos na manhã de desta terça, no Palácio do Planalto, para uma “posse simbólica” do novo presidente do BB

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2020 | 12h50

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro assinou o ato de nomeação de André Brandão para a presidência do Banco do Brasil. Ele vai substituir Rubem Novaes, que deixou o cargo nesta terça-feira, 22. Bolsonaro, Brandão, Novaes e o ministro da Economia, Paulo Guedes, estiveram reunidos na manhã de desta terça, no Palácio do Planalto, para uma “posse simbólica” do novo presidente do BB. 

A nomeação foi publicada nesta terça no Diário Oficial da União. Com isso, Brandão tomará a posse administrativa na sede do banco, em Brasília, mas não haverá solenidade, apenas assinatura de documento.  

Brandão deixou o Planalto no início da tarde, mas não falou com a imprensa. Novaes e o ministro Paulo Guedes também não deram declarações. Nas últimas semanas, Brandão aprofundou o processo de transição no Banco do Brasil, até então feito de forma virtual e à distância por conta da sua mudança ao Brasil após uma temporada nos Estados Unidos.

Depois de uma agenda virtual de videoconferências com os vice-presidentes do banco, Brandão começou a encontrá-los pessoalmente na semana passada. 

Novaes pediu demissão em meio a um processo de desgaste que incluía insatisfação do governo com a velocidade das vendas de ativos do BB e com o desempenho da instituição no crédito, segundo fontes.

Além disso, causou mal estar a reação do presidente do BB ao questionar a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) de impedir que o banco faça propaganda em sites acusados de espalhar fake news, prática associada à ala ideológica do governo.

Depois de pedir demissão, o executivo também causou polêmica ao declarar que não se adaptou à cultura de “compadrio” e “corrupção” de Brasília. Disse também que o BB precisava de sangue novo para fazer frente a desafios tecnológicos.

Executivo tem currículo longo e já depôs em CPI

Desde 2003 no HSBC, André Brandão atuava como chefe global da instituição para as Américas.  Desde que vendeu o banco de varejo para o Bradesco, em 2016, o HSBC atua no Brasil apenas como banco de investimento – área chamada de "atacado" no jargão do mercado. Antes de chegar ao HSBC, o executivo permaneceu mais de dez anos no Citibank (outra instituição que, recentemente, saiu do segmento de varejo no País, que foi adquirida pelo Itaú Unibanco).

Em 2015, o executivo depôs na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigava supostos crimes de evasão de divisas de brasileiros que tinham contas na agência de Genebra, na Suíça, do banco.  Na época, ele negou que a instituição brasileira tivesse acesso a dados dos correntistas fora do País.

Brandão enfrentava, no HSBC, um movimento de redução de cargos executivos. Segundo reportagem da Reuters publicada no mês de abril, ele permaneceria no cargo de dirigente para as Américas, em Nova York, até o fim do ano, quando "novos anúncios seriam feitos". Outros diretores regionais do banco foram demitidos desde o início de 2020.

Com as dificuldades e os cortes atualmente ocorrendo no HSBC, o cargo no BB é uma forma de o executivo colocar uma experiência de peso no currículo, segundo fontes de mercado. Essa razão justificaria trocar o cargo atual, com remuneração em dólar, pela presidência do BB, cujo salário fixo mensal é de R$ 68,8 mil. É um valor considerado baixo no mercado. Nos bancos privados, o valor fixo é pelo menos o dobro.

Tanto é assim que o nome de Brandão surgiu após uma série de negativas recebidas pela equipe econômica, em sondagens para o cargo. Sob o temor de uso do cargo para atender a interesses políticos, Guedes fincou o pé em relação à decisão de trazer um executivo de mercado.

Fontes do mercado financeiro consultadas pelo Estadão disseram que Brandão é um visto como um respeitado executivo de mercado e que sua indicação para o Banco do Brasil manda uma mensagem positiva em termos de gestão. "É uma boa escolha diante dos nomes disponíveis", disse uma fonte.

Se o mercado aceita bem o executivo, para um integrante da equipe econômica, o nome do diretor do HSBC não é o melhor indicado. "André Brandão é um nome respeitável, mas não vejo sabedoria política em se colocar agora o presidente de um banco estrangeiro à frente do BB como estratégia para uma privatização futura", disse a fonte.

Venda de ativos

Embora não seja um "banqueiro de varejo raiz", André Brandão, poderia agilizar a agenda de venda de ativos do Banco do Brasil, segundo fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, que é uma das agendas prioritárias para a equipe econômica atualmente.

"Brandão é o verdadeiro 'lorde inglês'. Tem experiência em atacado e pode ajudar na venda de ativos. Também tem postura e expertise para lidar com grandes clientes e receber investidores", disse um banqueiro, na condição de anonimato.

Em relação à venda de ativos do BB, algumas agendas já andaram, como a venda de ações de IRB Brasil Re e Neoenergia, o início da parceria com o UBS em banco de investimento e a abertura de capital do BV (ex-Banco Votorantim). Mesmo assim, a gestão de Novaes teria deixado a desejar, apesar de sua gestão ter sido atropelada pela pandemia, que paralisou as negociações em curso.

Brandão também pode ajudar nas conversas com o Bradesco, que tem uma série de sociedades com o BB. O executivo selou a venda do HSBC para o banco e ainda participou da fase de transição. Neste momento, BB e Bradesco discutem sobre as empresas que têm em conjunto em diversas áreas, principalmente em meios de pagamentos. Entre elas, a Cielo, que deu o primeiro prejuízo trimestral de sua história, impactada pela pandemia e ainda a pressão concorrencial.

Além dos desinvestimentos, o BB, assim como seus rivais, também sofre pressão em relação à evolução tecnológica que está transformando o setor com a chegada de fintechs. O próprio Rubem Novaes, conhecendo o desafio, vinha defendendo como o perfil necessário de um jovem, dinâmico e com "pegada tecnológica". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.