Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Bolsonaro diz esperar que Petrobras não reajuste preço de combustíveis

O presidente voltou a dizer que o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, tenta trocar o comando da estatal

Iander Porcella e Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2022 | 19h51
Atualizado 16 de junho de 2022 | 20h19

BRASÍLIA - No dia em que foi convocada uma reunião do Conselho de Administração da Petrobras para discutir "aumento de preços", o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, em transmissão ao vivo nas redes sociais, esperar que a estatal não reajuste os valores dos combustíveis, uma das principais preocupações de seu comitê de campanha à reeleição. “A gente espera que a Petrobras não faça maldade com o povo brasileiro”, afirmou nesta quinta-feira, 16.

O governo vem tentando convencer o presidente demissionário da Petrobras a segurar os preços para que as novas regras sobre ICMS surtam algum efeito nas bombas dos postos de abastecimento. Se a empresa aumentar os preços, os possíveis benefícios do Projeto de Lei Complementar  18 que fixou teto para o ICMS cobrado sobre combustíveis, cuja votação se encerrou esta semana no Congresso Nacional, seriam praticamente neutralizados. “Espero que a Petrobras não queira aumentar combustíveis nesses dias que estamos negociando com Parlamento”, insistiu Bolsonaro, na transmissão ao vivo nas redes sociais.

O presidente voltou a afirmar que a política de preços da estatal, com paridade internacional, não determina reajustes automáticos. “Não precisa quando aumenta o petróleo lá fora, o Brent, e o dólar aumenta aqui, ela não precisa imediatamente reajustar seus preços. Ela tem um prazo de vários meses para reajustar. E isso aí quem diz é a decisão do conselho lá atrás, quando se criou a PPI, no início do governo Temer”, declarou Bolsonaro.

Bolsonaro disse que um reajuste de preços da Petrobras agora, logo após a aprovação do teto de ICMS no Congresso, teria "interesse político" para atingir o governo. "A Petrobras já foi do Brasil, atualmente é dos funcionários e minoritários", afirmou o chefe do Executivo. "Eu só posso entender que um reajuste da Petrobras agora seria um interesse político para atingir o governo federal", disse o chefe do Executivo.

"Até semana que vem a gente acerta diminuição do preço dos combustíveis", declarou Bolsonaro, ao falar do pacote de energia negociado entre o Planalto e o Congresso. O presidente voltou a dizer que as medidas devem reduzir o preço da gasolina em R$ 2 o litro e o do diesel, em até R$ 1 o litro.

Os cálculos do chefe do Executivo diferem, contudo, dos que foram apresentados pelo relator do teto de ICMS no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE). O parlamentar estimou um impacto de R$ 1,65 no litro da gasolina e de R$ 0,76 no do diesel.

Com defasagem cada vez maior nos preços praticados nas refinarias da estatal, é grande a pressão do mercado para que a Petrobras alinhe a gasolina e o diesel aos preços internacionais. Ontem, a defasagem do diesel era de 18% em relação ao Golfo do México, após 36 dias sem reajuste, e a gasolina estava com uma diferença de 14% no seu 96º dia sem alteração, segundo dados da Associação Brasileira dos Importadores e Combustíveis (Abicom).

Desde 2016, a empresa pratica a política de preços de paridade de importação (PPI), que significa manter os preços alinhados ao mercado internacional. O PPI leva em conta o preço do petróleo e o câmbio, que dispararam esta semana, e os custos de importação, também elevados na esteira da alta de preços.

Se a empresa não seguir essa política, outros importadores deixam de trazer combustível para o Brasil, porque não conseguem concorrer com os preços mais baixos da Petrobras no mercado interno. Sem as importações complementares - o Brasil produz entre 70% e 80% do diesel que consome e 97% da gasolina -, o abastecimento pode correr risco no segundo semestre do ano, quando é previsto aumento da demanda e aperto da oferta por conta da guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

Troca no comando da Petrobras

Bolsonaro voltou a dizer que o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, tenta trocar o comando da estatal. Ele disse esperar que o encontro de hoje tenha sido para tomar essa decisão, ou seja, trocar o presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, para facilitar assim a entrada de Caio Paes de Andrade, atual secretário de Desburocratização do Ministério da Economia, já indicado por Sachsida. 

O governo faz pressão para que Coelho renuncie. Reuniões com essa finalidade foram realizadas esta semana entre o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida; e da Casa Civil, Ciro Nogueira, com o presidente da Petrobras. Assim como Bolsonaro, os ministros também pediram ao comando da petroleira que segure os preços. A decisão do reajuste dos combustíveis na Petrobras é tomada por Coelho; pelo diretor de Comercialização, Claudio Mastella; e pelo diretor Financeiro e de Relações com os Investidores, Rodrigo Araújo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.