Adriano Machado/ Reuters
Adriano Machado/ Reuters

Bolsonaro diz que não usa Pix: 'Estou a fim de fazer'

Presidente ainda fez piada sobre aceitar dinheiro de apoiadores ao falar sobre o meio de pagamento

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2022 | 20h18

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta quinta-feira, 28, que não usa o Pix. “Não tenho, estou a fim de fazer um aí. Cai dinheiro na conta da gente de graça? Se pedir, o pessoal bota? Vou fazer meu Pix aí”, disse o presidente, aos risos, em transmissão ao vivo nas redes sociais.

O comentário, no entanto, foi feito logo após o próprio Bolsonaro elogiar o sistema de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central. “A gente não faz isso para tirar dinheiro do banco. A gente faz para ajudar a população. São 20 bilhões de reais no mínimo que estão nas mãos das pessoas”, declarou na live. A iniciativa do Banco Central costuma ser elogiada por Bolsonaro também em cerimônias oficiais.

Na comemoração de um ano do Pix, no fim do ano pasado, o Banco Central estimou que mais de 45 milhões de pessoas que não realizavam transações eletrônicas agora fazem PIX com frequência e que o sistema já conseguiu reduzir em quase R$ 5 bilhões os custos bancários para as empresas.

O PIX já respondia por 72% das operações, considerando TED, DOC, TEC, boleto e cheque. Segundo o BC, a quantidade de operações via PIX já ultrapassa outros meios como cartão pré-pago, transferência interbancária e débito direto.

Com o Pix, o Brasil subiu da oitava para a quarta posição no ranking mundial de transações em tempo real, formado por 53 países. O levantamento é encabeçado, nesta ordem, por Índia, China e Tailândia, países populosos e pioneiros nesse tipo de pagamento.

Em outubro de 2020, Bolsonaro, parabenizado por apoiadores pelo Pix, disse não saber do que se tratava a ferramenta. “Não tomei conhecimento. Vou conversar essa semana com o Roberto Campos Neto [presidente do Banco Central”, disse, na ocasião. À época, o Pix ainda não estava em funcionamento, mas já havia sido anunciado pela autarquia após dois anos de discussão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.