Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Bolsonaro diz que 'Brasil não está bem' e governo dará ênfase a emprego e combate à inflação

Em discurso durante cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Serviço Civil Voluntário, presidente também relembrou medidas econômicas tomadas pelo governo na pandemia e, de olho nas eleições, voltou a atacar governos anteriores

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2022 | 11h12

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta sexta-feira que o governo federal dará “ênfase total” à geração de empregos e ao combate à inflação em 2022. A declaração foi dada na cerimônia de lançamento do Programa Nacional de Serviço Civil Voluntário no Palácio do Planalto, feito via Medida Provisória (MP) assinada mais cedo.

Em parceria com o Sistema S, o programa, com duração prevista até 31 de dezembro deste ano, visa oferecer vagas de emprego e cursos de qualificação para jovens entre 18 e 29 anos e trabalhadores acima de 50 anos. De acordo com nota enviada à imprensa pela Secretaria-geral da Presidência, os municípios que optarem por aderir ao Programa Nacional de Serviço Civil Voluntário são responsáveis pela organização das atividades.

 

Durante seu discurso, Bolsonaro relembrou medidas tomadas pelo governo como o auxílio emergencial e a prorrogação da desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia. “Muitas medidas foram tomadas e outras estão em vias de serem externadas”, declarou o presidente. “O Brasil não está bem, mas estando bem, todos estaremos”.

Em mais um discurso de olho nas eleições, ele voltou a atacar governos anteriores. “Há pouco tempo, era comum você ter dois ou três escândalos de corrupção”, disse Bolsonaro, sem considerar as suspeitas e investigações que rondam sua própria administração, como denúncias de pedido de propina para compra de vacinas contra a covid-19.

No palco da cerimônia, estava o presidente do novo partido de Bolsonaro, o PL, Valdemar Costa Neto, que foi condenado e preso no escândalo do mensalão petista.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.