Tyrone Siu/ Reuters
Tyrone Siu/ Reuters

Bolsonaro diz que chinesa Huawei quer instalar 5G no Brasil

O presidente afirmou que, durante a reunião, a empresa chinesa deixou claro seu interesse em participar da faixa 5G, mas que não foi abordado diretamente o tema leilão

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2019 | 20h36

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro afirmou que empresa Huawei quer operar 5G no Brasil. Bolsonaro encontrou-se com o presidente-executivo da empresa Wei Yao, na manhã desta segunda. "Apenas ouvi", resumiu o presidente. 

O presidente afirmou que, durante a reunião, a empresa chinesa deixou claro seu interesse em participar da faixa 5G, mas que não foi abordado diretamente o tema leilão, que deve ficar para o segundo semestre de 2020. "Não ouvi a palavra leilão. Se falou, estava desatento", disse Bolsonaro ao retomar para o Palácio da Alvorada, depois do expediente.  O presidente afirmou haver ainda uma outra empresa sul coreana de operar 5G. "A gente vai levar para o lado da oferta e conectividade." 

Como o Estado mostrou, o leilão do 5G no Brasil é palco de disputa tecnológica entre Estados Unidos e China. Sob alegação de espionagem, roubo de dados e risco real de ataques a estruturas críticas por meio dos equipamentos chineses, o presidente Donald Trump tem feito pessoalmente lobby para que a chinesa Huawei seja excluída das principais disputas pelo 5G no mundo. Mas apesar dessa pressão, não deve haver nenhum tipo de barreira ao uso de equipamentos da gigante chinesa pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), órgão regulador do setor.

A Huawei já tem mais de um terço da infraestrutura de redes de telefonia móvel no País, além de contratos com vários órgãos do governo federal. A companhia chinesa foi escolhida pela Anatel para realizar todos os testes do 5G no Brasil junto com as principais teles – Oi, Tim, Claro, Vivo e Algar – que devem disputar o leilão do próximo ano.

Tudo o que sabemos sobre:
Huawei5Gtelefonia celular

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.