Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Bolsonaro diz que governo aportou R$ 250 bi para desconto em conta de luz, mas foram R$ 900 mi

Segundo a postagem de Bolsonaro, seriam 'R$ 250 bilhões liberados para cobrir os descontos do Programa tarifa social que garantem (sic) desconto para famílias de baixa renda na conta de luz'

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2020 | 10h07

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro usou, nesta terça-feira, 19, sua conta no Twitter para divulgar ações do governo no combate aos efeitos da pandemia do novo coronavírus no País, mas acabou inflando os valores destinados ao programa Tarifa Social, que dá descontos na conta de luz para famílias de baixa renda. 

O Ministério da Economia destinou R$ 900 milhões ao programa, mas o presidente citou um valor bem maior, de R$ 250 bilhões.

Segundo a postagem de Bolsonaro, seriam "R$ 250 bilhões liberados para cobrir os descontos do Programa tarifa social que garantem (sic) desconto para famílias de baixa renda na conta de luz".

No início de abril, o governo editou uma Medida Provisória (MP) para prever que o Tesouro ajude a pagar a conta de luz das pessoas de baixa renda, por até três meses, desde que o consumo seja de no máximo 220 kWh. Na prática, famílias que têm desconto entre 10% e 65% de acordo com as regras do programa Tarifa Social passarão, nestes três meses, a ter desconto de 100%.

Esses descontos adicionais é que serão bancados com o aporte do Tesouro, no valor de R$ 900 milhões.

Na mesma postagem, Bolsonaro elencou outras medidas do governo, como aprovação de linha emergencial de R$ 2 bilhões em crédito do BNDES para pequenas empresas, entrega de cestas básicas a indígenas e a destinação de R$ 12,7 bilhões para o benefício emergencial pago a trabalhadores com carteira assinada que tiverem salário e jornada reduzidos ou contrato suspenso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.