Antonio Cruz/Agência Brasil
Antonio Cruz/Agência Brasil

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Bolsonaro diz que não defende trabalho infantil, muito menos escravo

Presidente havia afirmado, em uma transmissão ao vivo pelo Facebook, que não foi prejudicado por ter começado a trabalhar durante a infância

Teo Cury, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2019 | 13h04
Atualizado 05 de julho de 2019 | 14h50

BRASÍLIA - Um dia depois de afirmar em uma transmissão ao vivo em sua página no Facebook que não foi "prejudicado em nada" por ter começado a trabalhar durante a infância, o presidente Jair Bolsonaro disse na manhã desta sexta-feira, 5, que não defende o trabalho infantil. Ele voltou a dizer que trabalhar enobrece o cidadão.

"Não estou defendendo trabalho infantil, muito menos escravo. Mas me fez muito bem trabalhar. Me transformou fisicamente muito bem. Depois fui ser pentatleta das Forças Armadas", explicou o presidente, após ser questionado por jornalistas.

Ele participou de solenidade de comemoração do 196.º Aniversário de criação do Batalhão do Imperador e o 59.º de sua Transferência para a Capital Federal. O evento foi realizado no Batalhão da Guarda Presidencial, em Brasília.

Na transmissão realizada na quinta-feira, 4, à noite, Bolsonaro comentou que, por volta dos 9 anos de idade, quebrava milho na plantação da fazenda onde seu pai trabalhava, em Eldorado Paulista. O presidente fez questão de ressaltar, no entanto, que não vai apresentar nenhum projeto para descriminalizar o trabalho infantil, porque, se o fizesse, "seria massacrado".

"Eu disse na própria live que não defenderia. Que não enviaria um projeto neste sentido. Mas eu trabalhei desde 8 anos de idade quebrando milho, plantando milho com matraca, colhendo banana próximo aos 10 anos de idade e estudava. E hoje eu sou o que sou. Isso não é demagogia, é a verdade", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonarotrabalho infantil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.