Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

mercado

Petro, Magalu, Vale, B2W, Ambev... As empresas que mais cresceram na crise

Bolsonaro fala em rever política de preços da Petrobrás

Segundo presidente, em transmissão ao vivo pelo Facebook, mudança será feita ‘se não houver prejuízo’ para a estatal

Mariana Haubert e Beatriz Bulla, enviada especial, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2019 | 22h58

BRASÍLIA E DALLAS (EUA) -  O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 16, que pode rever a política de preços da Petrobrás se não houver prejuízos para a estatal. A declaração foi feita em Dallas, no Texas, durante a transmissão semanal ao vivo do presidente no Facebook.

“O pessoal reclama do preço da gasolina a R$ 5. E eles me culpam, atiram para cima de mim o tempo todo. O preço do combustível é feito lá pela Petrobrás. Leva em conta o preço do barril de petróleo lá fora, bem como a variação do dólar. Lógico que se a gente puder rever isso aí sem prejuízo para a empresa, sem problema nenhum, às vezes, a política pode ter algum equívoco”, disse o presidente.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que acompanhou Bolsonaro na transmissão, afirmou que o preço dos combustíveis no País só poderá ser reduzido quando houver “maior produção, quando não formos dependentes do petróleo que hoje ainda continuamos exportando e importando”.

Em abril, Bolsonaro admitiu ter ligado para o presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, para que a estatal desistisse do aumento do preço do diesel nas refinarias. “Eu liguei para o presidente sim. Me surpreendi com o reajuste de 5,7%. Não vou ser intervencionista. Não vou praticar a política que fizemos no passado, mas quero os números da Petrobrás”, afirmou à época o presidente. 

O reajuste foi cancelado e, depois do episódio, a empresa perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado.

A Petrobrás, em março, havia se comprometido a congelar o preço do óleo diesel por pelo menos 15 dias. Por causa da política de preços dos combustíveis, os caminhoneiros pararam o País, em maio do ano passado. Neste início de ano, com o petróleo em alta, o diesel voltou a ser uma ameaça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.