Amanda Perobelli/ Reuters
Amanda Perobelli/ Reuters

Bolsonaro diz que, 'pelo que tudo indica', não haverá reajuste para servidores públicos neste ano

Governo preservou emendas parlamentares e fez, na última segunda-feira, 06, um bloqueio efetivo de R$ 7 bilhões das despesas do Orçamento deste ano

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2022 | 12h18

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, 7, que "pelo que tudo indica" não haverá reajuste para servidores públicos neste ano.

"Lamento, pelo que tudo indica não será possível dar nenhum reajuste para os servidores no corrente ano. Mas já está na legislação nossa, a LOA, etc., de que para o ano que vem teremos reajustes e reestruturações", declarou Bolsonaro em entrevista exibida pelo SBT.

Sem definição do presidente sobre o reajuste do salário do funcionalismo público, o governo preservou emendas parlamentares e fez ontem um bloqueio efetivo de R$ 7 bilhões das despesas do Orçamento deste ano, menor do que o anunciado no final de maio.

Para diminuir o tamanho do corte faltando poucos meses para as eleições, o governo acabou usando a reserva de R$ 1,7 bilhão que o Orçamento tinha para o reajuste do salário das policias Federal, Rodoviária Federal e agentes penitenciários. Essa verba foi aprovada pelo Congresso na votação da lei orçamentária.

O impasse em torno do reajuste para essas três categorias e um aumento de 5% para todo o funcionalismo, no entanto, continua com várias carreiras do governo federal em greve ou fazendo movimentos de paralisação. / COM BROADCAST

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.