JOÉDSON ALVES/EFE - 07/10/2021
JOÉDSON ALVES/EFE - 07/10/2021

Bolsonaro diz ter se reunido com presidente da Petrobras para tratar de preços dos combustíveis

Presidente afirmou que teve encontro com Joaquim Silva e Luna nesta quinta para tratar da alta da gasolina e do diesel; Congresso discute medidas para amenizar a alta dos preços

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2021 | 20h10

SÃO PAULO - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira, 7, que teve uma nova reunião, hoje, com o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, e com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para tratar de medidas para lidar com a alta dos combustíveis.

"Somos unânimes, todo mundo quer que diminua", afirmou, em evento no Palácio do Planalto para assinatura de alterações em normas trabalhistas. "Quem não quer diminuir o preço das coisas no Brasil?", questionou o presidente, sem entrar em detalhes sobre o que foi discutido na reunião.

Com apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o governo negocia com o Congresso um projeto para alterar a tributação do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis, para tentar conter a alta do produto. Com alta de quase 40% nos últimos meses, o preço da gasolina e do óleo diesel é um dos vilões da inflação este ano. A proposta, contudo, tem a resistência de governadores. Outra ideia seria criar um fundo de estabilização dos preços.

Nesta quinta, Bolsonaro também voltou a reconhecer a escalada inflacionária no País, bem como a crise hídrica, o alto valor dos combustíveis e do gás de cozinha. 

"Não estou tirando meu corpo fora, mas estou mostrando a realidade", disse o presidente, após, mais uma vez, jogar a culpa do fenômeno em impostos e na proibição da venda direta do gás de cozinha. "É tudo monopólio. Mas é fácil lutar contra monopólio? Não é", declarou.

O valor pago pelos combustíveis é influenciado pelos preços internacionais, em dólar, e também são pressionados pela variação do câmbio, com a desvalorização do real frente à moeda americana..

"Os caminhoneiros chiam com razão", acrescentou o presidente, sobre o valor do combustível. 

Desabastecimento

Em meio à alta da inflação, o presidente Jair Bolsonaro disse também nesta quinta-feira que o País pode enfrentar problemas de abastecimento. A fala vem após o presidente já ter dito reiteradas vezes que o Brasil tem inflação, mas segue abastecido, diferentemente de países do exterior.

Um dos problemas, segundo o presidente, seria a falta de fertilizantes para o campo. Bolsonaro relatou ter tido uma conversa com o secretário especial de assuntos estratégicos da presidência, Flávio Rocha, que teria prometido a entrega do plano sobre como lidar com a falta de fertilizantes. Bolsonaro prometeu que o governo deve criar um plano emergencial. 

"Vou avisar um ano antes. Por questão de crise energética, a China começa a produzir menos fertilizantes. Já aumentou de preço, vai aumentar mais e vai faltar. A cada cinco pratos de comida no mundo, um sai do Brasil. Vamos ter problemas de abastecimento no ano que vem", alertou Bolsonaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.