finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bolsonaro revoga artigo da 'MP da Madrugada', mas dúvidas permanecem

Principal mensagem que passa é que o governo está mais focado em proteger as empresas do que os trabalhadores, principalmente os mais necessitados

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2020 | 14h51

A “MP da Madrugada”, editada pelo governo na noite de domingo, 22, provocou um tsunami em Brasília e elevou a tensão entre o governo, Congresso e entidades da sociedade civil que protestaram duramente contra a proposta justamente -na hora mais delicada de enfrentamento da pandemia da covid-19

A principal mensagem que passa é que o governo está mais focado em proteger as empresas do que os trabalhadores, principalmente os mais necessitados.  

O discurso oficial é de que MP evita o desemprego em massa na crise. Mas, na prática, a proposta pode desequilibrar ainda mais a relação entre empregado e trabalhador nesse momento tão difícil em que a crise vai levar à recessão econômica.

A forma de divulgação do texto também não poderia ter sido mais desastrosa. A MP publicada na noite de domingo, sem todas as medidas que o governo havia anunciado ao longo da semana passada, permanece até agora sem explicações pelas autoridades do governo.

Para entender: o texto flexibiliza as regras da CLT e permitia a possibilidade de as empresas e os trabalhadores negociarem a suspensão de contrato por até quatro meses, mas colocava o pagamento pelas empresas como uma possibilidade, não uma obrigação. 

Esse foi o ponto mais polêmico e sensível. O texto fala em negociação entre as partes, mas, na prática, todos sabem que não é isso que acontece.

O conteúdo da MP pegou todo mundo de surpresa porque o governo não havia dado transparência prévia sobre esse ponto. Pior: o texto não deixou claro se os empregados com contratos suspensos contarão com uma proteção adicional.

Resultado, o caos se instalou no Ministério da Economia, que passa a mensagem de estar perdido na condução do programa de socorro à pessoas e empresas.

No início da tarde, o presidente anunciou, pela sua conta no Twitter, a revogação do artigo polêmico.  Mas as dúvidas permanecem e um desgaste grande para a equipe do ministro Paulo Guedes, que passou a despachar no Rio de Janeiro por cautela devido à idade de 70 anos, considerada de risco para o coronavírus. 

O Estadão/Broadcast antecipou que governo o pretendia deixar explícito em uma próxima MP, com vigência imediata, a necessidade de o empregador pagar uma ajuda ao trabalhador em caso de suspensão de contrato. 

A correria para publicar um MP de forma incompleta mais uma vez foi uma tentativa de resposta à disputa política com Bolsonaro, Congresso e governadores, que estão ocupando o vácuo de ação na crise e deixando o governo federal ainda mais desnorteado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.