Adriano Machado/ Reuters
Adriano Machado/ Reuters

Bolsonaro soma queda de 4% com alta de 5% para dizer que PIB vai crescer 9%

Na verdade, se a projeção da expansão do PIB deste ano se confirmar em 5%, a economia terá crescido menos de 1% levando em conta o desempenho em 2020 e 2021

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2021 | 17h15

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro se atrapalhou nesta quarta-feira, 21, ao comentar as projeções para o crescimento da economia brasileira durante a pandemia.

"Alguns projetam um crescimento de 5% positivo esse ano... Se 5% é positivo e o ano passado foi 4% negativo, crescemos 9%. É um milagre. É uma coisa inacreditável", disse Bolsonaro à Rádio Jovem Pan Itapetininga.

Pelas contas do presidente, a queda de 4,1% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, por causa dos efeitos à pandemia, somada à alta de 5% neste ano (com base nas expectativas do mercado) resultaria no "milagre" de 9% de crescimento nos dois anos.

Na verdade, se a projeção da expansão do PIB deste ano se confirmar em 5%, a economia terá crescido menos de 1% levando em conta o desempenho em 2020 e 2021.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Alguns projetam um crescimento de 5% positivo esse ano... Se 5% é positivo e o ano passado foi 4% negativo, crescemos 9%. É um milagre. É uma coisa inacreditável
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Jair Bolsonaro, presidente da República

Comparando os dados do PIB de 2020 e 2021, a economia cresceria 0,7%, caso o crescimento deste ano se confirme em 5%. Já se for considerado o primeiro ano de governo (2019) com o PIB de 2020 e a previsão de 5% deste ano, o crescimento seria de 0,8%.

No ano passado, o resultado de queda de 4,1% foi o maior tombo desde o início da série histórica atual do IBGE, iniciada em 1996. Considerando a série histórica anterior, iniciada em 1948, o tombo de 4,1% em 2020 foi o maior em 30 anos e o terceiro pior resultado anual da história econômica do Brasil. As maiores retrações já registradas ocorreram em 1981 e 1990, quando houve queda de 4,3% do PIB em ambos os anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.