Isac Nobrega/PR - 16/05/2022
Isac Nobrega/PR - 16/05/2022

Bolsonaro diz que 'tem mais coisa para acontecer na questão da Petrobras'

Declaração do presidente ocorre após a troca de comando no Ministério de Minas e Energia

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2022 | 17h04

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro acenou nesta segunda-feira, 16, para a possibilidade de mais mudanças na Petrobras. "Tem mais coisa para acontecer na questão da Petrobras. Já sabem o que está acontecendo. Não vou entrar em detalhes, está sempre fazendo alguma coisa para buscar alternativa", declarou o chefe do Executivo a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.

Como mostrou reportagem do Estadão, o presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, está sob fritura no governo apenas um mês depois de assumir o cargo. Ele é ligado ao ex-ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque, demitido por Bolsonaro na semana passada após um novo reajuste do óleo diesel.

As declarações de Bolsonaro foram feitas pela manhã, em Brasília, antes da viagem do presidente a São Paulo, e divulgadas à tarde por um canal bolsonarista no YouTube, com cortes.

O presidente voltou a criticar a empresa por seus lucros e sua política de preços. “Com toda certeza vamos entrar na Petrobras nessas questões também. Não é possível petrolífera dar 30% de lucro enquanto as outras dão no máximo 15%, para atender interesses não sei de quem”, disse aos simpatizantes.

Na avaliação do chefe do Executivo, “todo mundo tem que colaborar” e a Petrobras precisa exercer sua função social. “Todo mundo tem que colaborar, não é ganhar mais dinheiro na crise. É o que infelizmente alguns setores fazem, como a própria Petrobras. 'Ah tem o estatuto'. Estatuto está acima da lei, não está acima da Constituição. Então, tem o fim social da empresa. O que está em jogo é o futuro do Brasil", declarou.

O presidente também disse esperar redução no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidente sobre combustíveis nos Estados após o ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), atender ao pedido do governo e suspender a forma de cobrança do imposto pelos governadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.