finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bom acordo na OMC é possível, diz presidente do Banco Mundial

Um acordo para ampliar o comérciomundial que beneficie "todas as economias" pode ser alcançadose os países estiverem preparados para negociar seriamente ostextos preliminares lançados nesta semana pela OrganizaçãoMundial de Comércio (OMC), disse o presidente do Banco Mundial,Robert Zoellick, na sexta-feira. "Um grande impulso final será necessário para preencher aslacunas, mas há agora um acordo na mesa para ser costurado",afirmou Zoellick, que atuou nas negociações da Rodada de Dohaaté recentemente, quando ocupava o cargo de secretário deComércio dos EUA, em um comunicado. Negociadores em Genebra iniciaram na terça-feira uma novatentativa de desatar o nó da Rodada de Doha, após quase seisanos desde seu lançamento, no Catar. Mediadores da OMC divulgaram textos em que fazem propostaspara os setores agrícolas e de bens industriais. O plano de Crawford Falconer, mediador das negociaçõesagrícolas na Organização Mundial do Comércio (OMC), propõe aredução dos subsídios totais aos produtores dos EUA para algoentre 13 bilhões e 16,4 bilhões de dólares anuais. Umaautoridade do governo Bush considerou a proposta "inaceitável". O chanceler brasileiro Celso Amorim, por sua vez, apontou"defeitos" nos textos, dizendo que as propostas exigem muitasconcessões dos países desenvolvimentos em bens industriais. Diplomatas disseram na terça-feira que as reações dospaíses às propostas da OMC determinarão se a Rodada de Dohapoderá ser concluída em 2007. O chairman da OMC, Pascal Lamy, tem alertado que, sem umacordo, as conversas podem ser congeladas por muitos anos. (Por Doug Palmer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.