Bombardier pede que aviões Q400 fiquem em solo para inspeção

A Bombardier anunciou na quarta-feirarecomendação para que as aeronaves modelo Q400 com equipamentoscom mais de 10 mil ciclos de aterrissagem fiquem em solo parainspeção. A decisão acontece após dois incidentes envolvendosistemas de pouso. A empresa canadense informou que há cerca de 60 aeronavesQ400 com mais de 10 mil ciclos de aterrissagem emfuncionamento. Um ciclo é quando uma aeronave completa umadecolagem e um pouso. A Bombardier declarou que entregou maisde 160 unidades do Q400 para companhias aéreas pelo mundo. A empresa, a terceira maior fabricante mundial de aeronavescivis, disse que a Transport Canada foi comunicada dos eventosrecentes e que ambas trabalham em conjunto para estabelecer ascondições para possíveis medidas corretivas no futuro. A recomendação da Bombardier é consequência dos acidentesenvolvendo aviões da empresa na Dinamarca, no domingo, e naLituânia, na quarta-feira. Não houve feridos graves em nenhumdos incidentes, segundo as autoridades. "Até que as investigações sejam concluídas pelos órgãoscompetentes, a Bombardier não pode especular ou comentar acausa dos incidentes", afirmou a empresa em comunicado. O turbopropulsor Q400 tem capacidade para acomodar entre 68e 78 passageiros, dependendo de sua configuração. Após o anúncio do Bombardier o Ministério dos Transportesdo Japão ordenou uma companhia aérea do país a suspender vôoscom três aviões da companhia canadense. A Austrian Airlinesinformou que também vai deixar em solo oito aviões daBombardier para inspecionar os sistemas de pouso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.