Bombardier perde para Embraer na Swiss

Bombardier perde para Embraer na Swiss

Aérea não recebeu os jatos da fabricante canadense na data prevista e se viu obrigada a alugar aeronaves da companhia brasileira

FERNANDO NAKAGAWA , CORRESPONDENTE / LONDRES , O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2014 | 02h04

A canadense Bombardier anunciou com festa, em julho de 2008, o lançamento da nova família de aviões CSeries. Na ocasião, o plano era que os jatos começariam a voar em 2013. O tempo passou, o projeto atrasou e a companhia aérea que assinou o primeiro contrato firme de compra, a Swiss, foi obrigada a se reprogramar. Diante dos adiamentos no calendário, a empresa informou ao 'Broadcast', serviço em tempo real da 'Agência Estado', que decidiu alugar temporariamente quatro aviões da concorrente Embraer até a chegada dos primeiros CSeries.

Entre dezembro de 2014 e o início de 2015, começarão a ser incorporados quatro Embraer 190 à operação da Swiss. Os jatos serão usados para substituir os antigos modelos Avro RJ10. A saída de cena desses aviões já era programada, mas o plano original era substituí-los pelos novos CS100 da Bombardier. Os atrasos no projeto, porém, inviabilizaram a troca e por isso a aérea decidiu fazer um "aluguel ponte" até que os aviões canadenses sejam entregues.

A decisão tem um valor simbólico para a Bombardier. A Swiss, por meio da controladora alemã Lufthansa, foi a primeira operadora a anunciar um contrato firme para compra de 30 modelos CS100. Fechado em 2009, o negócio envolve cerca de US$ 1,53 bilhão, de acordo com os valores de tabela na época.

A Swiss explica que os E190 serão sublocados da companhia suíça Helvetic Airways, empresa regional que já mantém um contrato de aluguel de longo prazo de quatro aviões com a Swiss. Os Embraer serão pilotados por comandantes da Swiss e a equipe de comissários poderá ser da Helvetic, informa a companhia suíça.

Os E190 substituirão modelos antigos que têm capacidade de 78 a 97 passageiros e são usados especialmente em aeroportos de pista curta. A frota de Avro da Swiss é antiga e muitas aeronaves já têm mais de 15 anos.

Custos. A decisão de incorporar temporariamente jatos Embraer acontece diante da proximidade de uma grande e custosa manutenção programada para os Avro RJ100. É a chamada revisão "C Check" feita a cada dois anos e que pode levar até quinze dias. Diante da perspectiva de que os primeiros modelos CSeries devem ser entregues em 2015, a Swiss decidiu aposentar os quatro aviões com revisão mais próxima. Assim, serão evitados os custos dessa manutenção. Questionada se a operação poderia ter como desdobramento a incorporação permanente da Embraer à companhia, a Swiss informou que "atualmente não tem planos de incorporar outras aeronaves Embraer à frota".

Apesar da confirmação da Swiss, a Helvetic ainda não conta com os quatro jatos. A frota da empresa é composta atualmente por seis Avro e um Airbus A319. Como não há pedido da Helvetic na carteira da Embraer, a companhia terá de buscar as aeronaves no mercado de usados. A Helvetic teve uma experiência recente com os aviões brasileiros. Em julho e agosto, a companhia contratou um modelo Embraer 195 da britânica Flybe para atender a alta demanda do verão europeu. Os aviões voaram em rotas da Helvetic entre Zurique e Ohrid, Skopje (Macedônia) e Pristina (Kosovo).

Desde a semana passada, o Broadcast solicita informações para a Helvetic sobre o negócio com a Swiss, mas não obteve detalhes sobre a operação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.