Bombardier vai demitir 800 funcionários nos EUA

A fabricante de aeronaves canadense Bombardier Aerospace anunciou que deverá demitir 800 funcionários de suas unidades produtivas em Wichita, no Kansas, e em Tucson, no Arizona. A maioria dos cortes deve ocorrer no centro de finalização de Tucson, onde 550 pessoas deverão ser demitidas nos próximos 12 meses. Outros 250 funcionários serão demitidos da fábrica de Wichita ao longo dos próximos 90 dias. Em setembro do ano passado, a Bombardier havia anunciado que deveria eliminar 3,8 mil postos de trabalho em todo o mundo, número que representa 5% do total de funcionários da empresa.Essa nova rodada de demissões não faz parte das reduções anunciadas anteriormente. Na ocasião, a empresa havia informado que cortes adicionais seriam possíveis se melhorias significativas nos negócios da indústria da aviação não acontecessem. Em setembro de 2001, 350 funcionários da fábrica de Wichita foram demitidos. A planta de Tucson não foi afetada pelos cortes.Com a atual medida, o pessoal baseado na fábrica de Wichita será reduzido a 3,2 mil pessoas. Desde os atentados de 11 de setembro, 7 mil funcionários da planta perderam seus empregos. "Infelizmente, o negócio da aviação civil tem demorado para se recuperar", disse o porta-voz da empresa, David Franson. Ele afirmou que a empresa acredita que a desaceleração da economia começou bem antes dos atentados terroristas, e que está se recuperando, lentamente, desde outubro de 2000.A Bombardier, com sede em Montreal, atua nas áreas de transportes, produtos recreativos, serviços financeiros e aeroespaciais. A companhia registrou faturamento de 13,2 bilhões de dólares canadenses em 2000 e é a principal concorrente da brasileira Embraer no mercado internacional de aeronaves de pequeno porte para passageiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.