Bompreço Nordeste deixará Bovespa

A controladora holandesa Royal Ahold anunciou ontem, dia 19, uma oferta pública para o fechamento de capital da rede de supermercados Bompreço Nordeste. A empresa brasileira estará fora da Bolsa até o final dejunho, segundo o vice-presidente executivo de finanças e relações com investidores, Marcelo Silva. O mercado vinha especulando sobre a operação desde que a Royal Ahold adquiriu o restante do capital da Bompreço, em junho do ano passado. No começo de 2001, as ações foram alvo de fortes rumores de oferta, o que elevou as cotações. O resultado é uma alta anual de 33,33%, até o pregão da última quinta-feira, véspera da suspensão dos negócios em Bolsa por conta do anúncio oficial. "A operação não traz surpresas para o mercado", comentou Silva. Ele disse que, apesar de já ser esperada, a decisão da Ahold chegou à cúpula da Bompreço somente na quinta-feira e foi levada ao mercado prontamente, na manhã do dia seguinte. Ontem (19), a Ahold divulgou o valor da oferta: R$ 12,00 por ação. Esse montante representa um prêmio de 50% sobre a última cotação dos papéis da Bompreço na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Silva contou que o gasto com a compra de ações em mercado deve ficar em torno de R$ 115 milhões. O executivo explicou que decisão da empresa holandesa baseia-se no fato de já ser listada nas bolsas de Amsterdã e Nova York. Como já tem acesso aos mercados internacionais, o grupo nãopretende usar a Bolsa brasileira como fonte de financiamento. Atualmente, 14% do capital da Bompreço Nordeste está em circulação no mercado. Esta parcela é representada somente por ações preferenciais, pois os papéis ordinários, que dão direito a voto, estão todos com a Royal Ahold.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.