Bonança virá após eleição, dizem analistas em Londres

Depois da tempestade virá a bonança nos mercados brasileiros. Essa é a visão de alguns analistas estrangeiros que apostam que após a conclusão do processo eleitoral brasileiro, mesmo com uma eventual vitória de Lula (PT) no primeiro turno, os ativos do País poderão apresentar uma forte recuperação, premiando aqueles investidores que não se deixarem levar pelo atual clima de pânico. Essa corrente de otimistas, ecoando o que vem sendo dito pelos integrantes da equipe econômica brasileira, acredita que o País tem plenas condições de evitar um calote de sua dívida e inclusive voltar a atrair investimentos estrangeiros no curto prazo.O chefe de pesquisa do fundo de investimentos para mercados emergentes Ashmore Investment Management, Jerome Booth, que administra um portóflio de US$ 1,5 bilhão para os emergentes, afirma que a recuperação dos preços dos títulos brasileiros deverá ser "rápida e surpreendente". Segundo ele, os fundamentos do País não justificam o atual pessimismo. "Ninguém quer pegar a faca quando ela está caindo, mas apenas quando ela já estiver no chão", disse Booth à Agência Estado, referindo-se à queda dos papéis brasileiros e a desvalorização do real. "Mas acho que podemos estar muito próximos desse momento de virada, o Brasil tem bases sólidas que estão sendo esquecidas neste momento."Booth salientou, que definida a eleição, o mercado "vai ficar esperando qualquer notícia positiva" para justificar a recuperação dos ativos do País. "Essa irracionalidade que estamos vendo hoje e que deve continuar pelo menos até a sexta-feira não deveria surpreender, ela é natural nos mercados em momentos como o atual", disse. "Mas o Brasil não é a Argentina, o País conta com instituições sólidas, políticas fiscais responsáveis tanto no nível federal como estadual e muita gente está se deixando levar por essa onda de pânico, não conseguindo se concentrar nos fatores que realmente deveriam ser levados em consideração".

Agencia Estado,

30 de setembro de 2002 | 13h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.