REUTERS/Ueslei Marcelino
REUTERS/Ueslei Marcelino

‘Bondade’ de Temer põe financiamentos em risco

Para tentar destravar a economia, governo estuda liberar saque do PIS/Pasep para todas idades e permitir que demissionário saque FGTS

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 04h00

O pacote de bondades que o presidente Michel Temer quer lançar de olho na reeleição pode reduzir os financiamentos com juros mais baixos para a compra da casa própria e o caixa do BNDES.

A fonte de recursos dessas operações são o FGTS e o PIS/Pasep. Se liberar o PIS/Pasep para todas as idades e o saque do fundo para quem pedir demissão, o governo colocará essa fonte em risco. A Constituição diz que, na falta de recursos do PIS/Pasep, o BNDES é obrigado a devolver dinheiro ao fundo.

 + Presidentes do Senado e da Câmara sinalizam apoio à liberação do PIS/Pasep para qualquer idade

Com a recuperação lenta da economia e a agenda econômica empacada no Congresso, o governo busca medidas para acelerar a economia e chegar às eleições com melhora de indicadores mais perceptível pela população. A projeção oficial de alta de 3% do PIB está mais difícil de ocorrer e integrantes da área econômica são cobrados a dar uma injeção de ânimo nos moldes da liberação das contas inativas do FGTS, que colocou R$ 44 bilhões na economia em 2017.

Por meio da sua assessoria, o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, disse não ver problemas em liberar o FGTS para quem pede demissão, desde que a medida não coloque em risco a sustentabilidade do próprio fundo. A proposta já foi aprovada na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Segundo Colnago, 2,3% a 2,5% é o potencial de crescimento da economia. Para ele, nada leva a crer que o País crescerá menos que o projetado, principalmente com medidas como a do PIS/Pasep.

+ Decreto de Temer libera FGTS para pessoa com deficiência comprar órteses e próteses

“É lógico que a liberação do FGTS coloca em risco o fundo”, disse o presidente da Câmara da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins. Para ele, essas medidas estimulam o consumo e não sustentam depois o crescimento. “O que tem de ser feito é destravar a economia e os investimentos. Só que a equipe econômica nunca leva em conta as medidas para o crescimento”, disse. A área econômica está dividida em relação à liberação do FGTS. Um levantamento dos dados está sendo feito.

Para o economista Antonio Corrêa de Lacerda, professor da PUC-SP, o efeito será paliativo em uma economia que cresce a passos lentos. O que virá depois é o enfraquecimento das fontes de financiamento dos bancos públicos em um cenário de juros ainda altos nos bancos privados.

+ Projeto que permite saque de FGTS a quem pede demissão pode 'acabar' com fundo

Com a possibilidade de saque do PIS/Pasep, o BNDES terá de devolver o que recebeu desse fundo. O banco terminou 2017 com R$ 27,7 bilhões. Como empréstimos retornam lentamente, o receio é de que seja preciso usar recursos em caixa na devolução, que pode ficar entre R$ 12 bilhões e R$ 15 bilhões. Além disso, R$ 100 bilhões devem ser devolvidos ao Tesouro Nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.