Boneca Barbie é acusada de ‘sexista’ e ‘associada ao capitalismo’

'Cada dos Sonhos' inaugurada em Berlim pela EMS Entertainment provoca protestos de feministas

Efe,

16 de maio de 2013 | 16h48

BERLIM - A abertura da "Casa dos Sonhos" da boneca Barbie, em Berlim, nesta quinta-feira, 16, provocou protestos de vários grupos que qualificam a famosa boneca como "sexista" e "associada ao capitalismo", responsável por estimular transtornos alimentares nas crianças.

Com 2,5 mil m² em todos os tons de rosa possíveis, a representação em tamanho real da casa da mundialmente famosa boneca, nas palavras da vice-presidente de marketing da marca Barbie, Lori Pantel, abre nova forma de diálogo do produto com os consumidores. "É uma experiência memorável", disse ela.

 

A visita à casa oferece um passeio por todos os cômodos, da cozinha ao banheiro. Os visitantes podem conhecer o enorme guarda-roupas, a penteadeira, joias e artigos de maquiagem e a interminável coleção de sapatos da boneca. A casa permite às crianças provarem os vestidos da boneca virtualmente, cozinhar seus alimentos também virtualmente e desenhar e pintar as suas roupas.

O presidente e diretor geral da EMS Entertainment, Christoph Rahofer, explica que a organização prestou muita atenção nos detalhes para criar uma experiência interativa completa usando toda a tecnologia disponível.

Para Stevie Meriel Schmeidel, presidente da Associação Pinkstinks da Alemanha, a forma de potencializar a beleza e a moda faz com que a Casa dos Sonhos da Barbie seja uma iniciativa condenável. "A Barbie é o brinquedo mais representativo do mundo dos brinquedos para as meninas, um mundo que sempre fala de como se vestir e como ser bonita", explica Schmeidel.

Na opinião dela, a figura da boneca é uma das causas do drástico crescimento dos transtornos alimentícios das meninas, que sofrem uma pressão psicológica para se adaptarem aos padrões de beleza da magérrima boneca.

A representante do Sindicato de Educação e Ciência, Doreen Siebernik, explica que o que se vê na Casa da Barbie não é o que se pode considerar um bom exemplo pedagógico.

Militantes feministras protestaram do lado de fora da casa contra a 'educação sexista' representada pela boneca. Katharina Nesterowa, uma das militantes que organizaram o protesto na porta da 'Casa dos Sonhos', disse que a boneca define um modelo que pede às meninas, de forma irônica, que sejam mais sensuais, loiras e tenham mais peitos e menos quadris.

Nesterowa assegura que tanto ela como suas companheiras acreditam Barbie "está associada ao capitalismo e ao sexismo", e que é preciso encontrar alternativas baseadas na igualdade de educar as crianças. A Casa dos Sonhos da Barbie ficará aberta até o fim de agosto em Berlim e depois vai começará um tour por outras cidades da Alemanha.

Tudo o que sabemos sobre:
Barbiebonecasexismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.