‘Boneco Ricardão’ ganha novas versões diante da falta de mão de obra

Placas de sinalização com formas humanas substituem trabalhadores em obras de ruas e estradas

Economia & Negócios,

25 de julho de 2013 | 17h01

SÃO PAULO - A escassez de mão de obra estimula o mercado de bonecos sinalizadores e faz surgir versões cada vez mais humanizadas de placas em formato humano.

Uma empresa de Ribeirão Preto criou um boneco sinalizador tão perfeito que chega a enganar os motoristas mesmo durante o dia. Alguns chegam a cumprimentá-lo.

O boneco, fabricado pela Rumart Sinalização, está sendo usado pela empresa Leão Engenharia na obra de duplicação rodovia Régis Bittencourt na Serra do Cafezal, entre São Paulo e Curitiba.

O boneco tem o rosto com uma foto do prestador de serviço que confecciona as placas de sinalização para a compresa. A placa em formato humano é feito de metal em tamanho natural e fica à beira do asfalto, com uma bandeira de sinalização na mão, substituindo um trabalhador que ganha em torno de R$ 1 mil por mês.

Para as empresas, além da economia de salário, o boneco sinalizador oferece a vantagem de não ter encargos sociais, não precisar parar para almoçar ou dormir e nem precisar de outros benefícios como vale transporte e férias. Eles também não fazem greve e nem reivindicam aumento.

Precursora no uso de bonecos no lugar de funcionários assalariados, a Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (CET) criou nos anos 90 o 'boneco Ricardão'. Ele era usado para sinalizar avenidas, e sua simples presença levava os motoristas a respeitar o limite de velocidade. De longe, era confundido com um vigilante de carne e osso, mas logo acabou desmoralizado e foi retirado de circulação.

No ano passado, a Companhia de Transportes do Município de Belém adotou um boneco que também virou piada, por ter o rosto parecido com o presidente americano Barack Obama.

O boneco ficou famoso nas redes sociais e até ganhou perfil no Twitter e uma página no Facebook, onde muitos paraenses publicavam fotos suas ao lado dos bonecos. Em uma das montagens fotográficas o boneco apareceu com o rosto de Bin Ladem. Em outra, estava ao lado da modelo Gisele Bündchen. De quatro bonecos que sinalizavam as obras na cidade, três foram furtados.

No mercado de equipamentos para empresas de engenharia existem dezenas de fabricantes de placas de sinalização que oferecem bonecos com formas humanas.

A empresa Towbar, de Santa Catarina, tem um modelo de plástico moldado resistente e na cor laranja, com 15 quilos de peso.O boneco tem uniforme refletivos para o uso noturno. Outros fabricantes oferecem variações feitas em chapa de aço galvanizado, também reflexivo, com versões simples ou dupla, para rodovias de duplo sentido.

As empresas dizem que o boneco sinalizador substitui com vantagens os tradicionais bandeirinhas humanos, com mais segurança e menos custo. Um fornecedor anuncia o Boneco Bandeirola, que "substitui trabalhadores em área de risco e alerta aos usuários da vida para atenção quanto a obras no trajeto".

Tudo o que sabemos sobre:
Mão de obra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.