Bônus da AIG criaram 73 milionários, segundo procurador de NY

Lista de milhonários inclui 11 pessoas da unidade de produtos financeiros que não trabalham mais na empresa

AE-Dow Jones,

17 de março de 2009 | 17h11

O procurador-geral de Nova York, Andrew Cuomo, afirmou que a seguradora American International Group (AIG) criou 73 milionários ao conceder bônus de US$ 1 milhão ou mais pelo ano de 2008 a funcionários da unidade de produtos financeiros, incluindo 11 pessoas que não trabalham mais na empresa. A declaração foi feita em uma carta ao presidente do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes dos EUA, Barney Frank.

 

Veja também:

Obama quer impedir pagamento de bônus a executivos da AIG

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise   

 

Segundo Cuomo, os 10 maiores bônus somam US$ 42 milhões, sendo que o maior deles foi de mais de US$ 6,4 milhões. O procurador culpou a unidade de produtos financeiros pelo quase colapso da AIG no ano passado. "Novamente, esses pagamentos foram feitos a indivíduos na subsidiária cujo desempenho levou a enormes perdas e à quase falência da AIG", disse Cuomo na carta.

 

"Com isso, na semana passada, a AIG criou mais de 73 milionários na unidade que perdeu tanto dinheiro que deixou a empresa de joelhos, forçando um resgate com recursos dos contribuintes. Alguma coisa está profundamente errada nessa situação", acrescentou o procurador.

 

Ontem, Cuomo intimou a AIG a fornecer detalhes sobre quem recebeu os bônus na unidade de produtos financeiros e cópias dos contratos relacionados aos bônus. Na carta divulgada hoje, o procurador disse que a AIG se recusou a fornecer nomes.

 

No último fim de semana, emergiram notícias de que a AIG pagou US$ 165 milhões em bônus a funcionários da unidade na sexta-feira. O pagamento recebeu críticas do governo dos EUA e dos contribuintes. A Casa Branca afirmou que está analisando "todos os meios" de recuperar o valor dos bônus, já que a AIG utilizou US$ 173,3 bilhões do governo norte-americano para continuar funcionando até o momento.

 

Barney Frank afirmou hoje que o governo, que agora tem 80% das ações da AIG, deveria usar sua participação controladora na empresa para bloquear o pagamento dos bônus. O comitê presidido por Frank deverá realizar uma audiência sobre o assunto na quarta-feira, 18.

 

A AIG tem afirmado que está contratualmente obrigada a pagar os bônus e que vai se esforçar para reduzir os pagamentos em, no mínimo, 30% neste ano. "Nós entendemos as preocupações do procurador-geral e estamos mantendo contato com ele e respondendo adequadamente à intimação", afirmou o porta-voz da companhia, Mark Herr, em um comunicado. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
AIGbônus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.