Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Bônus de dívida da Petrobrás já são vendidos com deságio em Frankfurt

Após a Lava Jato, papéis, que chegaram a ser negociados com ágio de 130%, têm sido vendidos a 89,5% do valor de face

FERNANDO NAKAGAWA, O Estado de S.Paulo

20 Fevereiro 2015 | 02h07

LONDRES - Não são apenas as ações da Petrobrás que sofrem com a crise da estatal. Em Frankfurt, um dos principais mercados secundários de dívida corporativa, títulos da Petrobrás amargam forte queda nos últimos meses. Bônus que eram negociados com ágio estão cada vez menos atrativos e já são trocados por menos de 90% do valor. O Petrobrás Global 09/40, por exemplo, já chegou a valer 130% do valor de face e tem sido vendido a 89,5%. 

A Petrobrás foi uma das empresas que mais aproveitaram a onda de crédito fácil e barato após o estouro da crise em 2008. Nesse período, a empresa tomou dezenas bilhões de dólares em empréstimos com a emissão de títulos de dívida e em operações bancárias. Sua dívida saltou de US$ 27,3 bilhões no fim de 2008 para US$ 139,7 bilhões em junho de 2014 - aumento em dólar de 411%. Por isso, ganhou dos analistas o título de empresa mais endividada do mundo.

Os títulos de dívida da empresa estão com os credores que, se quiserem, podem vendê-los para receber antecipadamente. A venda dos chamados "bonds" é a solução para quem emprestou dinheiro e está inseguro com as perspectivas da companhia.

Lançado em 30 de outubro de 2009 para captar 1,5 bilhão no mercado, o bônus Petrobrás Global 09/40 é um bom exemplo do fenômeno. O título oferece juro de 6,875% ao ano até janeiro de 2040 e, desde o lançamento há cinco anos, era negociado com ágio, segundo a Bolsa de Frankfurt. Isso quer dizer que investidores interessados no juro topavam pagar mais para ficar com pelo menos uma parte da remuneração.

No auge da procura, em outubro de 2012, o título da Petrobrás chegou a ser negociado a 130,31% do valor de face. Com esse preço, passou a oferecer retorno ao investidor - o chamado yield - de 4,83% ou um terço a menos que o juro original. Mesmo assim, ainda era um bom negócio diante da taxa perto de zero na Europa e nos EUA.

No ano passado, a procura era um pouco menos aquecida, mas ainda existia ágio e o papel era trocado por 112,2% do valor em setembro. Nas semanas seguintes, porém, com a Operação Lava Jato, os preços começaram a cair.

Com o Petrobrás Global 09/40, o fundo do poço foi em 3 de fevereiro, quando o papel foi negociado na mínima histórica a 81,11% do valor - ou seja, o juro embutido chegou a 8,94%, cerca de um terço acima do original. O juro maior é uma tentativa de atrair um interessado e passar a dívida adiante.

Além desse bônus de 2040, há pelo menos mais duas dezenas de títulos da Petrobrás com vencimento diferente negociados no mercado de dívida da Alemanha. Todos passam por fenômeno idêntico.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo Petrobrás d[ivida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.