Bônus do Brasil caem com forte nervosismo eleitoral

O spread dos bônus da dívida do Brasil alcançou o nível histórico mais amplo no final da tarde desta quinta-feira em Nova York, em meio à baixa liqüidez, nervosismo sobre os números de uma nova pesquisa eleitoral e novo declínio do real. O spread da porção Brasil no índice EMBI+ do JP Morgan aumentou em 84 pontos-base, para 1.863 pontos-base sobre os Treasuries comparáveis, enquanto os C-bonds caíram 2 pontos, para 57 cents por dólar (preço de oferta), depois de terem registrado a mínima intraday de 55 cents por dólar (preço de oferta).Esse declínio foi desencadeado por especulações de que a nova pesquisa do Ibope, a ser divulgado nesta quinta-feira à noite, vai mostrar um crescimento do candidato da Frente Trabalhista, Ciro Gomes, de 26% para 28% das intenções de voto, consolidando-se na segunda colocação da corrida presidencial, ampliando sua vantagem sobre o candidato governista, José Serra.Tais rumores exacerbaram o declínio do já abalado real, que fechou em nova mínima recorde de R$ 2,995 por dólar, de R$ 2,946 por dólar no fechamento desta quarta. Pela manhã, o real chegou a romper a importante barreira psicológica de R$ 3,00 por dólar. Participantes de mercado disseram que os bônus da dívida e o real recuaram das mínimas sustentados por rumores de que o FMI pode anunciar em breve um novo pacote de ajuda ao País.O Brasil tem atualmente um programa de crédito de US$ 15,5 bilhões com o FMI, com vencimento em novembro. O presidente do Banco Central, Armínio Fraga, disse nesta quarta-feira que o País poderá buscar um novo acordo com o Fundo se o ambiente econômico piorar.As declarações de Fraga ocorreram um dia depois que a vice-diretora-gerente do FMI, Anne Krueger, ter dito que o Fundo estava aberto para um possível empréstimo transitório com o governo brasileiro, embora uma discussão detalhada sobre tal plano não tenha ainda ocorrido.O restante do mercado operou em linha com a volatilidade do Brasil. No geral, o spread do índice EMBI+ aumentou em 21 pontos-base, para 889 pontos-base sobre os Treasuries comparáveis . Entre os principais ativos, os bônus globais do México para 2026 caíram cerca de 1 11/16, para 125 7/16 cents por dólar (preço de oferta), enquanto os eurobônus da Rússia para 2030 perderam 3/4, para 68 cents por dólar (preço de oferta).Os bônus mexicanos também foram pressionados por rumores sem fundamento de que o governo havia reaberto sua emissão de bônus globais para 2012, disseram participantes. Os bônus globais mexicanos para 2012 caíram 1 ponto, para 100 1/4 cents por dólar (preço de oferta).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.