Bovespa abre em alta à espera de dados sobre consumo nos EUA

Amparadas pelo PIB francês, bolsas européias operam em alta; zona do euro entra em recessão pela primeira vez

Agência Estado,

14 de novembro de 2008 | 11h18

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta nesta sexta-feira, 14, apesar da confirmação de que a economia da zona do euro entrou em recessão pela primeira vez. Os investidores também estão atentos aos indicadores econômicos que serão divulgados nos Estados Unidos nesta manhã. Às 11h11 (de Brasília), o Ibovespa subia 0,67%, aos 36.233 pontos. No mesmo horário, o dólar cedia 3,07%, cotado a R$ 2,307.   Veja também: Recuperação da Europa, EUA e Japão virá em 2010, diz OCDE PIB da Alemanha cai pela 2º vez consecutiva   Veja os principais pontos do encontro do G-20 em São Paulo De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos   O desafio do dia são os dados dos EUA, principalmente vendas no varejo de outubro e dado de confiança de Michigan (preliminar) de novembro. Além disso, o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, participa de debate sobre "coordenação de políticas entre bancos centrais" durante a manhã.   Segundo indicadores divulgados nesta sexta, Alemanha e Itália já estão em recessão, enquanto a França escapou de ter sua economia no limbo, com o PIB do terceiro trimestre registrando crescimento de 0,1% no terceiro trimestre. A economia espanhola contraiu-se no terceiro trimestre, mas tecnicamente ainda não está em recessão, já que cresceu no segundo trimestre.   A economia da Holanda, por sua vez, estagnou-se pelo segundo trimestre seguido e a economia de Portugal ficou estável, após crescer 0,3% no segundo trimestre. Amparadas pelo PIB francês, as bolsas européias operam em alta expressiva. Em Londres, o ganho era de 4% às 10h50, em Paris, +2,66%, e em Frankfurt, +3,87%.   Bovespa foca balanços   Por aqui, a safra final de balanços deve ter impacto pontual nos negócios. As ações da Cyrela devem continuar no foco. A construtora, que divulgou resultado trimestral nesta manhã, reduziu sua previsão de lançamentos e vendas em 2008, para se ajustar ao cenário atual adverso.   Após o fechamento, a CSN divulga resultado do terceiro trimestre. A Abyara também anuncia resultado após o fechamento, assim como Cesp, Sabesp, Tenda Banco Cruzeiro do Sul e Banco Panamericano. No decorrer do dia saem os números da Gol, Celesc, Bradespar, Coelce, MMX, LLX Logística entre outros.   As ações da Aracruz, que na quinta dispararam 10%, podem continuar na rota de recuperação. A Stora Enso, maior produtora de papel do mundo, estuda fazer uma oferta pelos 50% que a Aracruz possui na Veracel, fábrica de celulose instalada no Sul da Bahia. Executivos envolvidos na operação falavam numa proposta de aproximadamente US$ 2 bilhões, valor ainda sujeito a ajustes, segundo  apurou o repórter do Estado, David Friedlander.   Ásia   A maior parte das bolsas da Ásia fechou em alta, estimulada pelos ganhos de quinta-feira em Wall Street. Em Hong Kong e na China, os mercados também foram influenciados pela expectativa de um corte nas taxas de juros chinesas neste final de semana.   A Bolsa de Tóquio, um dos principais mercados da Ásia, fechou em alta. No setor exportador, as ações ganharam também o estímulo do enfraquecimento do iene. O índice Nikkei 225 avançou 223,75 pontos, ou 2,7%, aos 8.462,39 pontos. Já o índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong encerrou com elevação de 2,4%, aos 13.542,66 pontos. Apesar da alta, o índice acumula perda de 4,9% na semana.   Na China, a esperança de redução dos juros e a continuidade do otimismo gerado pelo pacote de 4 trilhões de yuans do governo ajudaram o índice Xangai Composto a subir 3,1% e atingir 1.986,44 pontos. Na semana, a alta acumulada é de 13,7%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.