Bovespa abre em forte alta com anúncios dos EUA

Tesouro norte-americano confirma que irá injetar US$ 250 bi em bancos por meio da compra de ações

Agência Estado,

14 de outubro de 2008 | 10h08

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em forte alta nesta quarta-feira, 14, após os detalhes divulgados nesta manhã pelos EUA para ajudar o setor financeiro em dificuldade. O Tesouro norte-americano afirmou que irá injetar US$ 250 bilhões em empresas financeiras por meio da compra de ações preferenciais, enquanto o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) disse que começará a financiar compras de commercial papers. Os recursos são parte do pacote de US$ 700 bilhões aprovados pelo Congresso. Às 10h28 (de Brasília), o Ibovespa subia 6,53%, aos 43.495 pontos.   Veja também: BC anuncia medidas que liberam R$ 27,1 bi ao mercado Bush anuncia compra de ações de bancos pelo Tesouro dos EUA Austrália e Japão anunciam novas medidas para conter crise Plano europeu de socorro a bancos soma US$ 2,28 tri, diz 'FT' Em meio à crise, empresas têm que pagar US$ 15 bi ao exterior Europa vai garantir dívidas bancárias por até 5 anos Reino Unido vai resgatar seus 4 maiores bancos, diz jornal Como o mundo reage à crise  Confira as medidas já anunciadas pelo BC contra a crise Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira    Os mercados de ações da Europa aceleraram os ganhos depois do anúncio e os índices de Nova York também abriram em alta. No início do pregão, Dow Jones subia 3,97%; Nasdaq avançava 2,33% e S&p 500 tinha alta de 4,06%. Às 9h45 (de Brasília), o índice FT-100, da bolsa de Londres, subia 6,28%, enquanto o CAC-40, em Paris, ganhava 6,17%, e o Dax de Frankfurt, avançava 5,76%.   Ásia   As ações asiáticas também tiveram forte alta nesta terça-feira, com o índice Nikkei do Japão registrando valorização recorde de 14%. Investidores esperam que as ações de governos de todo o mundo, ao assumir parte de bancos, estabilizem o sistema financeiro global e marquem o fim do pior da crise financeira. Temores de recessão global não acabaram, mas até as medidas emergenciais adotadas por governos reduziram o risco de um colapso do sistema financeiro.   O índice Hang Seng de Hong Kong registrou valorização de 3,19%, um dia depois de ter subido 10,2%, o maior ganho em um dia em nove meses. O mercado de Seul teve alta de 6,14%, enquanto Xangai perdeu 2,71%, Taiwan subiu 5,4% e Cingapura teve oscilação positiva de 2,5%. A bolsa de Sydney fechou valorizada em 3,7%.   (com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespacrise nos EUABush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.