Bovespa abre em queda, na expectativa de balanços nos EUA

Pressionada por sentimento de que recessão vai afetar lucros das empresas, Bolsa de SP inicia semana em baixa

Agência Estado,

12 de janeiro de 2009 | 11h47

A Bolsa de Valores de São Paulo começou a semana devolvendo parte do ganho acumulado nos primeiros pregões do ano, pressionada pelo sentimento geral de que a recessão vai afetar os ganhos das empresas na semana em que começa a temporada de balanços nos Estados Unidos. O Ibovespa - principal índice do mercado paulista - recuava 1,95% às 11h45, aos 40.772 pontos. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise   A última semana foi muito favorável para o Ibovespa, que conseguiu contabilizar valorização de 10,74% no ano, puxada principalmente por compras de investidores estrangeiros. Eles responderam por um fluxo positivo de R$ 1,042 bilhão este ano até o dia 7. Mas a expectativa de alguns analistas é de que a entrada de fluxo estrangeiro possa brecar diante do noticiário externo negativo e das incertezas no curto prazo - a uma semana da posse do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama. O relatório de emprego - "payroll" - de dezembro nos EUA, divulgado na sexta-feira, baqueou o mercado mesmo já sendo esperado um número ruim. Os investidores assumem posição mais defensiva nesta segunda-feira, aguardando a abertura da temporada de balanços do quarto trimestre nos EUA pela Alcoa, após o fechamento dos mercados. Os números deverão dar uma medida do tamanho do impacto da crise econômica nas empresas. Na quinta-feira, quem informa os resultados é a Intel. A expectativa é de uma semana de muita volatilidade para o mercado de ações. Do lado das matérias-primas (commodities), o noticiário também contribui para uma realização de lucros. Os petróleo cai mais de 4% nas negociações em Nova York e opera na faixa de US$ 39 por barril, como reflexo do contínuo pessimismo de que a demanda diminuirá por causa da desaceleração da atividade econômica global. Notícias de que uma solução para o impasse de gás natural entre Rússia e Ucrânia foi alcançado também favorecem a queda da commodity, pois diminuem as expectativas de um possível aumento da demanda europeia por petróleo e derivados como alternativa ao gás natural em aquecimento e geração de energia. As ações da Petrobras recuam 2,01%. Os metais básicos negociados em Londres registravam forte baixa em meio à diminuição de compras típicas de início de ano. Os preços também eram influenciados por perdas nos mercados de ações e pelo fortalecimento do dólar. Hoje, a mineradora angloaustraliana Rio Tinto anunciou que vai adiar a expansão de sua mina de ferro em Corumbá, na qual tinha previsto investir US$ 2,118 bilhões (ao câmbio de hoje). As ações da Vale recuam 2,69%.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.