Bovespa acentua baixa após abertura

Às 11h19, o índice Bovespa (Ibovespa) cedia 0,91%, aos 67.358 pontos

Sueli Campo, da Agência Estado, Agencia Estado

30 de abril de 2010 | 10h09

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em baixa nesta sexta-feira, 30, e acentuou a queda ao longo da manhã, enquanto monitora a reação das bolsas nos exterior ao resultado do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano do primeiro trimestre, que veio um pouco abaixo das expectativas, ao registrar crescimento de 3,2%, ante previsão de 3,3%. Ao mesmo tempo, os investidores seguem muito atentos ao que acontece na Europa, onde alguns países anunciam programas de ajustes numa tentativa de evitar agravamento dos problemas fiscais. O plano de austeridade grego, anunciado ontem e que pode chegar a 24 bilhões de euros, que inclui o congelamento por três anos nos salários do funcionalismo público, traz alívio. Por outro lado, a espera pelo megapacote de ajuda à Grécia, de 120 bilhões de euros, que pode sair este final semana impõe cautela aos negócios. Às 11h19, o índice Bovespa (Ibovespa) cedia 0,91%, aos 67.358 pontos.

A melhora nos gastos com consumo, que aqueceu o resultado do PIB norte-americano, não foi suficiente para sustentar abertura em alta das Bolsas de Nova York, que iniciaram sem direção comum. No Brasil, como a Bolsa acumula perda de 3,40% em abril, pode abrir espaço para alguma recomposição de carteiras para maio, diz o gestor da Infinity Asset, George Sanders.

A melhora nos preços das matérias-primas (commodities) tende a dar suporte à recuperação da Bovespa hoje. O petróleo operava nesta manhã em alta de 0,90%, perto de US$ 86 o barril em Nova York, refletindo a expectativa de resgate à Grécia e os desdobramentos do vazamento de óleo no Golfo do México - que já atingiu a Costa de Louisiana (EUA). Os metais básicos também estão em alta em Londres e em Nova York, uma vez que o euro permanece acima de US$ 1,33, sugerindo sustentação. As preocupações em relação a uma possível crise soberana na Europa diminuíram, após indicações de que a Grécia concordou com novas medidas de austeridade.

Agora, faltam sair nos EUA o índice de confiança do consumidor da Universidade de Michigan e o dado de atividade de Chicago do Instituto para Gestão de Oferta. Na Bovespa, a temporada de balanços continua trazendo boas surpresas como o resultado de Lojas Renner, que ontem à noite informou lucro acima do esperado, de R$ 36,9 mi no primeiro trimestre, crescimento de 239,8% sobre igual período do ano passado. O resultado superou as expectativas dos analistas, que esperavam lucro de R$ 31,24 milhões.

A Redecard anunciou esta manhã lucro líquido de R$ 352,579 milhões no primeiro trimestre, crescimento de 11,2% ante mesmo período de 2009. A receita operacional líquida ficou em R$ 805,9 milhões, crescimento de 13,1%. A Embraer, que divulgou resultado ontem à noite, por sua vez, teve lucro líquido de R$ 44,1 milhões no primeiro trimestre, avanço de 15,1% ante igual intervalo do ano anterior.

Texto atualizado às 11h27

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasBovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.