Bovespa acompanha NY e fecha com leve baixa

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em baixa nesta quinta-feira, depois de três dias de forte alta, acompanhando o tom cauteloso dos mercados norte-americanos. O Ibovespa - índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa - fechou com queda de 0,45%, aos 45.424 pontos. O volume financeiro ficou em R$ 3,6 bilhões. Entre os destaques, as ações da Arcelor Brasil perderam 5,80% e fecharam a R$ 47,10, refletindo ajustes do mercado à decisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A autarquia aceitou na quarta-feira à noite a forma de cálculo proposta pela Arcelor Mittal para aquisição das ações de minoritários da Arcelor Brasil, mas determinou que o preço da oferta seja maior. O valor estimado ficou em R$ 49,7523. "O papel está passando por um ajuste e passa a ser visto mais como uma opção de renda fixa", avaliou o operador de uma corretora nacional, explicando que se o preço cair muito, investidores podem entrar comprando na certeza de vender a 49,75 reais. Em Nova York, as bolsas de valores fecharam em praticamente estáveis, depois de terem subido na quarta-feira, reagindo ao comunicado do Federal Reserve (o banco central dos EUA) que não trouxe referência sobre apertos adicionais. Com isso, aumentaram as apostas em um corte no juro. Mas nesta quinta, os operadores norte-americanos se perguntaram quando essa redução viria, e optaram pela cautela. O índice Dow Jones - que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,11%. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e internet - caiu 0,17%.Mercado cambialO dólar fechou praticamente estável nesta quinta-feira, após oscilar entre ligeira baixa. A moeda norte-americana fechou em discreta alta de 0,05%, vendida a R$ 2,0610, após máxima de R$ 2,0640 e mínima de R$ 2,0550. Durante a manhã, o baixo nível da cotação, que se aproximava da mínima em seis anos, atraiu compradores para o mercado de câmbio, que reverteram a queda do início do pregão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.