Bovespa agitada por prazo da Telesp

O prazo para troca das ações da Telesp e Tele Sudeste Celular por BDRs - recibos de ações da Telefónica espanhola -, que vence sexta-feira, tem derrubado o índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), com as vendas em massa de ações dessas empresas. Os preços têm caído em função do risco crescente, conforme passam os dias, de que não haja tempo hábil para efetuar a troca dos papéis por BDRs - recibos de ações da Telefónica espanhola. Houve uma grande migração dos investidores para Petrobras e Telemar, com fortes movimentos especulativos.Ao final de um dia bastante agitado, Tele Sudeste Celular fechou em queda de 30,00% - maior do índice -; Telesp PN - preferencial, sem direito a voto - recuou 18,62%; e Telesp ON - ordinária, com direito a voto - perdeu 8,90% do seu valor. Em contrapartida, Petrobras PN subiu 3,10% e Telemar PN avançou 3,40%, por serem consideradas as sucessoras de Telesp em volume de negociação na Bovespa. E seu fechamento teria sido muito melhor, não fosse o mencionado movimento especulativo. O Ibovespa fechou em queda de 1,38%, em 16.512 pontos, com volume de R$ 627,622 milhões. Dólar estável O dólar fechou praticamente estável hoje, registrando ligeira alta de 0,05%, cotado a R$ 1,8240. Operadores comentam que o fluxo foi equilibrado nesta terça-feira e que o volume de negócios foi contido em função da expectativa do mercado em relação à reunião do FED - banco central norte-americano - amanhã.A expectativa dos operadores era de uma abertura em alta para o dólar nesta terça-feira, já que as cotações caíram na tarde de ontem em função do erro na publicação no Diário Oficial de uma operação de troca da dívida externa do governo. Como o dólar estava em alta ontem e só caiu à tarde por causa desse erro, era esperado que o dólar voltasse a subir na manhã de hoje.Isso realmente aconteceu e o dólar chegou a subir 0,33%, sendo negociado a R$ 1,8290. À tarde, no entanto, as cotações recuaram e o dólar chegou a cair 0,16%. Operadores afirmam que um ingresso de recursos em torno de R$ 200 milhões teria provocado essa redução nas cotações, estabilizando-as.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.