Bovespa alcança maior nível desde a turbulência global

Com os mercados internacionais se recuperando aos poucos, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) subiu pelo segundo dia consecutivo nesta terça-feira e fechou no maior nível desde o fim de fevereiro. O Ibovespa - índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa - avançou 1,46%, para 44.350 pontos - o maior patamar desde 26 de fevereiro, véspera do início das turbulências globais, quando o índice desabou 6,6%. O volume financeiro ficou em R$ 3,019 bilhões de reais. O desempenho da Bolsa foi influenciado pela valorização das bolsas de valores norte-americanas e do avanço das ações da Petrobras, que tem um dos maiores pesos no Ibovespa. Os papéis da companhia subiram 2,36%, para R$ 42,07. Em Nova York, as bolsas subiram com diversas notícias de aquisições. Dados acima do esperado sobre a construção de moradias nos EUA ajudaram a diminuir o receio de que os problemas no crédito imobiliário de alto risco possam se espalhar para todo o setor. O índice Dow Jones, referência da bolsa americana, avançou 0,51%, para 12.288 pontos. A Nasdaq - bolsa que negocia ações do setor de tecnologia e internet - subiu 0,58%, para 2.408 pontos. O mercado doméstico ainda repercutiu o acordo conjunto de Petrobras, Braskem e grupo Ultra de compra dos ativos da Ipiranga, anunciado na véspera. As preferenciais (PN, sem direito a voto) da Braskem tiveram alta de 2,21%, depois de terem subido mais de 15% na segunda-feira. Para Júnior Hydalgo, diretor da Trust Investimentos, o bom desempenho da Braskem reflete as perspectivas positivas do acordo para a empresa e o fato de a ação vir de um período de fraqueza. "O faturamento da Braskem vai aumentar bastante, ela vai ficar entre as 10 maiores do mundo", avaliou o profissional. Mas os analistas ressaltaram que, embora os mercados estejam se recuperando, ainda há incertezas, principalmente em relação à economia norte-americana. Os investidores aguardam na quarta-feira o fim da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve (Fomc, na sigla em inglês). A expectativa é de manutenção da taxa de juro em 5,25% e o comunicado sobre a decisão pode trazer sinais sobre o rumo da política monetária nos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.