Bovespa avança 1,46% e registra o 35º recorde do ano

Bolsa fecha aos 59.715 pontos, puxada pela percepção de que emergentes terão performance melhor que EUA

Agência Estado,

26 de setembro de 2007 | 17h56

O clima externo favorável renovou o ânimo dos investidores e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) emendou um recorde atrás do outro, atingindo facilmente o patamar dos 59 mil pontos e aproximando-se dos 60 mil pontos.  O Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, avançou 1,46% e terminou o dia aos 59.715 pontos, seu 35º recorde de fechamento do ano. No melhor momento do dia, o índice subiu 1,64% e chegou aos 59.825 pontos, sua nova pontuação máxima histórica. Este foi o terceiro pregão seguido de recordes na Bovespa e, se depender da vontade dos investidores, a Bolsa vai ainda mais longe até o final do ano. A percepção de que os emergentes devem ter uma performance melhor do que os EUA, onde a economia vem dando sinais de desaceleração por causa da crise do mercado de crédito imobiliário de alto risco, está atraindo mais recursos de investidores estrangeiros para esses países, levando os investidores a refazerem suas carteiras de ações.  Em Nova York, os principais índices das bolsas de valores também terminaram o dia com elevação, impulsionados por General Motors e Bear Stearns. A GM chegou a um acordo com o sindicato United Auto Workers, encerrando uma greve iniciada na segunda-feira.  Já as ações do banco de investimentos Bear Stearns dispararam mais de 10% logo após uma notícia publicada pela edição online do jornal The New York Times, segundo a qual o megainvestidor Warren Buffet estaria interessado em comprar uma participação minoritária no banco. O índice Dow Jones subiu 0,72% e o Nasdaq teve alta de 0,58%.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.