Bovespa avança mais de 1,5% com alta forte de Petrobrás

Descolada da hesitação das bolsas norte-americanas, a Bovespa operou com dinâmica própria ontem, fechando em alta firme de 1,67%, de volta ao patamar de 70 mil pontos abandonado no último dia 20. A trajetória foi amparada nos ganhos entre 4,5% e 5% dos papéis da Petrobrás, que subiram com correção de preços, amenizando um pouco as perdas que superavam 30% em 2010. O excelente desempenho da petrolífera desencadeou uma alta generalizada das ações do Ibovespa na última hora de negócios. Os papéis da Vale se aproveitaram dessa tendência e destravaram, após a mineradora divulgar comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) desmentindo especulações sobre substituição de seu diretor-presidente, Roger Agnelli. Vale ON subiu 1,47% e a PNA, 1,44%. Enquanto isso, em Nova York, os índices acionários tiveram oscilações estreitas e terminaram ao redor da estabilidade. Por lá, o mercado já opera na expectativa em relação à decisão do Federal Reserve na semana que vem, apostando em medidas de estímulo que injetariam mais dólares na economia a fim de estimular o crescimento.

Cenário: Rosangela Dolis, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2010 | 00h00

No câmbio, o dólar acompanhou a tendência externa e subiu ante o real, favorecido ainda pelo fluxo de entrada mais fraco. No balcão, terminou em R$ 1,705 (+0,29%).

Os juros futuros ampliaram a queda à tarde refletindo especulações de que a pesquisa Datafolha, que seria divulgada ontem à noite, mostraria redução da diferença entre Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) para 5 ou 6 pontos porcentuais, enquanto no levantamento anterior, de 6ª feira, este intervalo era de 12 pontos. O contrato de janeiro de 2013 encerrou em 11,81%, de 11,88% ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.