carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Bovespa bate novo recorde, puxada por estrangeiros

Percepção de que os emergentes devem ter um desempenho melhor do que os EUA atrai recursos para a Bolsa

Sueli Campo, da Agência Estado,

26 de setembro de 2007 | 10h57

A Bolsa de Valores de São Paulo começou o pregão desta quarta-feira, 25, batendo novo recorde histórico, prometendo mais um pregão animado. Às 10h16, o principal índice da Bolsa subia 1,35%, aos 59.649 pontos, depois de ter driblado na terça à tarde a realização de lucros e fechado o pregão em mais uma pontuação inédita (58.857,8 pontos).  O dólar, por sua vez, caía 0,64%, cotado a R$ 1,849.   A percepção de que os emergentes devem ter um desempenho melhor do que os EUA, epicentro da crise do subprime, está atraindo mais recursos para a bolsa e levando os investidores a refazerem suas carteiras. "Está vindo dinheiro de médio prazo, de boa qualidade", afirma o gestor gerente da Infinity Asset, George Sanders.   Caiu, comprou. Esse tem sido o lema dos investidores estrangeiros que atuam na Bovespa desde o corte surpresa de juros promovido pelo Fed, na semana passada. De lá para cá, tem crescido a percepção de que pode vir uma nova redução na taxa de juros norte-americana.   Os dados divulgados na terça-feira nos EUA, sugerindo enfraquecimento da economia, reforçam essa avaliação. Esta manhã saiu mais um dado nessa linha. As encomendas de bens duráveis caíram 4,9% em agosto para US$ 219,53 bilhões em base ajustada sazonalmente, depois de subirem 6,1% em julho. A previsão dos economistas era de queda nas encomendas de 3,1% no mês. Esse era o principal indicador econômico previsto para esta quarta nos EUA.   Na terça à noite, o presidente do Fed de Filadélfia, Charles Plosser, disse que o Fed espera dados econômicos mais fracos nos próximos meses, mas que só números muito mais enfraquecidos darão suporte a cortes adicionais das taxas de juro.   Os índices futuros de ações em Nova York sustentaram o sinal de alta após o dado, encorajados pelo encerramento da greve dos metalúrgicos da General Motors. A produção deve ser retomada no fim desta tarde, com o fechamento de um acordo entre o sindicato que representa os metalúrgicos e a administração da empresa, o qual, entretanto, ainda tem de ser ratificado. As ações da General Motors operaram em alta de mais de 7%. O S&P 500 subia 0,53% e o Nasdaq futuro +0,69%.   Na Europa, as bolsas se recuperam das perdas da véspera, com os investidores reagindo à revisão dos dados do PIB de crescimento de 3% para 3,1% no Reino Unido no segundo trimestre e por notícias favoráveis da financeira Northern Rock, que informou ter recebido várias propostas para ser comprada. As ações das mineradoras e dos bancos lideram as altas.   Nesta quarta, o Royal Bank of Scotland (RBS), que está próximo de fechar a compra do ABN Amro, dobrou sua participação no banco holandês de 4% para 8%, através de uma complexa série de transações de derivativos.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespadólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.