Bovespa cai 0,48%, pressionada por Vale e siderúrgicas

Ações da mineradora fecharam em queda de mais de 3% devido ao recuo no preço do minério de ferro

Clarissa Mangueira , Agência Estado - Atualizado às 18h45

11 de novembro de 2014 | 18h07

A Bovespa fechou em queda nesta terça-feira, afetada pela queda das ações da Vale e siderúrgicas. A notícia de que o governo enviou ao Congresso um projeto de lei alterando a LDO e que elimina o limite para abatimento de desonerações e investimentos do PAC da meta do superávit primário, além de especulações em torno da formação da equipe econômica, contribuíram para o recuo da Bolsa. O volume de negócios foi bastante reduzido tanto no mercado doméstico quanto no exterior, devido a um feriado nos EUA.

No fim da sessão, o Ibovespa caiu 0,48%, aos 52.474,27 pontos. O volume de negócios totalizou R$ 4,886 bilhões. Na máximas da sessão, a Bolsa registrou 52.718 pontos (-0,01%) e, na mínima, atingiu 52.003 pontos (-1,37%). No ano, o Ibovespa acumula alta de 1,88% e no mês de novembro, declínio de 3,94%.

A queda da Bolsa foi conduzida principalmente pelo recuo das ações da Vale, que foram pressionadas pela trajetória de queda do preço do minério de ferro. Hoje o Citi rebaixou a recomendação para os papéis da mineradora de neutro para venda, após a equipe de commodities do banco revisar suas projeções para os preços do minério de ferro de US$ 80 a tonelada para US$ 65 para 2015 e 2016. 

Os preços-alvos caíram de US$ 12,50 e US$ 11,00 para US$ 8,00 e US$ 7,00, no caso dos ADRS referentes às ações ordinárias e preferenciais, respectivamente. Os papeis ON da mineradora recuaram 3,13% e os PNA caíram 3,67%.

As ações do setor de siderurgia também terminaram em baixa. Usiminas PNA (-3,07%), Metalúrgica Gerdau PN (-2,34%), Gerdau PN (-2,20%) e CSN (-4,47%).

Outro fator que contribuiu para o declínio da Bolsa foi a notícia divulgada pela manhã que o governo encaminhou para o Congresso um projeto de lei que retira o limite para abatimento da meta fiscal de 2014, hoje de R$ 67 bilhões, para alcançar o superávit primário. 

A informação alimentou as incertezas sobre os próximos passos do governo em relação à economia. Além disso, cresceram hoje os rumores de que o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, estaria na lista dos possíveis candidatos para comandar o Ministério da Fazenda no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. As especulações ganharam força devido à participação de Tombini no encontro do G-20, na Austrália, ao lado de Dilma Rousseff. 

Por outro lado, a recuperação das ações da Petrobrás na reta final da sessão ajudou a aliviar a pressão negativa na Bolsa. A queda dos papéis da estatal mais cedo foi provocada pelas denúncias sobre corrupção na estatal e por expectativas sobre um julgamento na  Comissão de Valores Mobiliários (CVM) relativo à governança da companhia. 

Advogados consultados pelo Broadcast calculam que as denúncias de corrupção na Petrobrás podem gerar multas de até R$ 3 bilhões para a estatal. No fim do dia, as ações da Petrobrás subiram e fecharam nas máximas: ON, +0,60%, e PN, +0,14%.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.