carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Bovespa cai 1,24% e acumula perdas de 6,43% em agosto

No último pregão do mês, Bolsa de SP é prejudica por queda nos mercados dos EUA e preços de commodities

Claudia Violante, da Agência Estado,

29 de agosto de 2008 | 18h04

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) terminou agosto da mesma forma que começou: em baixa. No último pregão do mês, o indicador acompanhou as perdas das bolsas norte-americanas e também das commodities e recuou 1,24%, aos 55.680,4 pontos. Com isso, pelo terceiro mês seguido, acumulou perdas, de 6,43% em agosto, o que ampliou o recuo de 2008 para 12,84%. Na semana, o índice recuou 0,30%.  Veja também:Dólar fecha o mês a R$ 1,63, com maior alta mensal desde 2006 Nesta sexta-feira, 29, o Ibovespa oscilou entre a mínima de 55.678 pontos (-1,25%) e a máxima de 56.856 pontos (+0,84%). O giro financeiro do pregão somou R$ 4,769 bilhões (preliminar), sendo que mais de R$ 1 bilhão foi registrado na última meia hora do pregão, o que não impediu, entretanto, que agosto tivesse a menor média diária do ano, de R$ 4,811 bilhões até ontem, segundo o site da Bovespa.  Em Wall Street, o Dow Jones perdeu 1,46%, aos 11.544,0 pontos, o S&P teve baixa de 1,37%, aos 1.282,82 pontos, e a Nasdaq teve baixa de 1,83%, aos 2.367,52 pontos. Os resultados ruins da Dell e o indicador fraco de renda pessoal prejudicaram as ações, embora a inversão do petróleo para baixo tenha diminuído um pouco a pressão de venda sobre os papéis. A fabricante de computadores norte-americana Dell anunciou queda de 17% no lucro líquido do segundo trimestre deste ano, para US$ 0,31 por ação, enquanto os analistas esperavam US$ 0,36. Já o índice de preços para gastos com consumo pessoal (PCE) cresceu 0,6% em julho em relação a junho, depois de subir 0,7% em junho. O aumento do índice cheio ficou levemente acima da alta de 0,5% prevista pelos economistas, mas o núcleo acertou as apostas de 0,3%. O que desagradou, no entanto, foi o dado de renda pessoal, que caiu 0,7%, ante -0,4% previsto, e foi a maior queda desde agosto de 2005.  No final do pregão, o contrato para outubro do petróleo recuou 0,11%, aos US$ 115,46, favorecendo Nova York, mas ajudando a ampliar as perdas da Bovespa ao pesar sobre os papéis da Petrobras. Petrobras PN perdeu 1,27% e ON, 1,48%, ambas as ações fecharam na mínima cotação do dia, de respectivamente R$ 34,90 e R$ 42,66. Vale, outra blue chip, caiu hoje na esteira dos metais. ON, -0,75% e PNA -1,81%.  Na segunda-feira, com o feriado nos EUA do Dia do Trabalho, o dia deve ser de marasmo na Bovespa, piorando ainda mais o volume financeiro negociado no pregão. Com isso, qualquer operação tem peso para puxar o índice, mas os analistas apostam que há espaço para setembro começar em alta.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaMercado Financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.