Bovespa cai 2,99% e volta aos 64 mil pontos

Bolsa fecha com 64.447,93 pontos por conta da queda das commodities

Agência Estado,

12 de novembro de 2009 | 18h46

A Bovespa encontrou nesta quinta-feira, 12, no ambiente externo justificativas para carregar uma realização de lucros até o fechamento. Perdeu de uma vez os 66 mil e os 65 mil pontos, voltando ao nível de 64 mil pontos registrado no último dia 6, ou seja, antes de engatar as três sessões seguidas de alta. A queda das commodities e o vencimento de opções sobre ações na próxima segunda-feira carregaram as blue chips para baixo.

 

Veja também:

link Dólar sobe quase 1% em meio a volatilidade no exterior

 

O Ibovespa terminou a quinta-feira, 12, em baixa de 2,99%, aos 64.447,93 pontos. Na mínima do dia, registrou 64.319 pontos (-3,18%) e, na máxima, 66.614 pontos (+0,27%). No mês, a Bolsa acumula elevação de 4,72% e, no ano, de 71,63%. O giro financeiro foi o maior do mês e totalizou R$ 8,082 bilhões. Os números são preliminares.

 

Saíram dois dados relevantes nos EUA, os pedidos de auxílio-desemprego e os estoques de petróleo. Embora o primeiro tenha vindo melhor do que as estimativas, dando um certo fôlego às ações, os números de estoques desapontaram e levaram os investidores engatarem uma correção dos papéis.

 

Isso aconteceu também porque os índices estão se aproximando de pontos de resistência importantes e, em meio a uma agenda esvaziada, a opção acaba sendo embolsar os lucros. "O S&P se aproximou dos 1,1 mil pontos, mas não consegue romper porque faltam razões para ir além. Assim, acaba ocorrendo uma realização de lucros", comentou o economista da Legan Asset Fausto Gouveia.

 

Os estoques de petróleo dos EUA cresceram 1,762 milhão de barris na semana encerrada em 6 de novembro, mas os analistas esperavam uma alta bem mais modesta, de 200 mil barris. Já os estoques de gasolina cresceram 2,56 milhões de barris, ante expectativa de estabilidade, enquanto os estoques de destilados aumentaram 349 mil barris, ante estimativa de declínio de 400 mil barris. Já o número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego caiu 12 mil, bem mais do que a queda de dois mil prevista.

 

Às 18h20, o Dow Jones caía 0,81%, o S&P, 0,90%, e o Nasdaq, 068%. Wal-Mart subia 0,59%. A maior varejista mundial anunciou aumento de 3,2% de seu lucro no trimestre, para US$ 3,25 bilhões, e elevou suas projeções de resultado para 2010.

 

 

O resultado dos estoques de petróleo fez as cotações da commodity fecharem em queda firme. Na Nymex, o contrato para dezembro caiu 2,95%, para US$ 76,94 o barril. Petrobrás, que nos dois últimos dias foi um ponto de resistência do Ibovespa, hoje cedeu ao comportamento do petróleo, além de ser influenciada pelo vencimento de opções sobre ações, na próxima segunda-feira. Petrobrás ON recuou 2,75% e PN, 1,99%.

 

Vale e siderúrgicas também recuaram, assim como os metais. Vale ON, -3,62%, PNA, 4,09%, Gerdau PN, -4,29%, Metalúrgica Gerdau PN, -5,07%, Usiminas PNA, -3,81%, CSN ON, -1,09%.

 

Apenas quatro ações do Ibovespa fecharam em alta hoje

e a maior ficou com Lojas Renner ON (+2,25%). Uma das razões apontadas no mercado é a inclusão do papel no índice MSCI de Mercados Emergentes, na revisão semestral do indicador. No total, serão agregadas 11 empresas brasileiras no índice.

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.