Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Bovespa cede 0,61% e tem a quinta queda consecutiva

Cenário político continuou a contribuir para recuo da Bolsa; ações da Petrobrás caíram mais de 1%, acompanhando a queda dos preços internacionais do petróleo

Paula Dias, O Estado de S. Paulo

17 de agosto de 2015 | 17h04

A Bovespa emplacou nesta segunda-feira, 17, sua quinta queda consecutiva, ao fechar com recuo de 0,61%, aos 47.217,42 pontos. A sessão de negócios foi de volatilidade, principalmente no período da manhã. Na máxima do dia, o Ibovespa chegou a subir 0,59%, aos 47.788 pontos. Em cinco pregões consecutivos de queda, o índice acumula perda de 4,33%. 

O cenário político, a divulgação de dados econômicos nos Estados Unidos e o desempenho das commodities estiveram entre os fatores de influência dos negócios. O bom desempenho das principais bolsas da Europa e também a alta das bolsas americanas não foram suficientes para dar fôlego de compra no mercado brasileiro. 

Entre as quedas do Ibovespa, estiveram em destaque os papéis Petrobrás ON e PN, que recuaram 1,45% e 1,94%, acompanhando a queda dos preços internacionais do petróleo. Vale ON (-1,04%) e Eletrobrás PNB (-1,67%) também se destacaram, juntamente com as ações do setor bancário, que ainda repercutem a proposta de aumento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). O índice que reúne ações do segmento financeiro teve baixa de 0,70% no dia, superior à queda da carteira do Ibovespa. 

O vencimento de contratos de opções sobre ações contribuiu para a volatilidade no período da manhã. O exercício de opções movimentou R$ 2,04 bilhões, sendo R$ 479,4 milhões em opções de compra e R$ 1,56 bilhão em opções de venda. 

As manifestações contra o governo Dilma Rousseff e suas repercussões foram acompanhadas de perto, mas não chegaram a ser influência significativa nos negócios, principalmente porque as atividades do Congresso serão iniciadas na terça-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.