Bovespa cede 1,77% e carimba o menor nível desde maio de 2010

A Bovespa seguiu o sinal vermelho das bolsas norte-americanas e europeias e engatou seu terceiro pregão consecutivo em baixa, perdendo novamente o nível de 59 mil pontos e registrando o pior patamar de 2011. O Ibovespa tombou 1,77%, aos 58.288,46 pontos, menor nível desde 20 de maio do ano passado. Nesses três dias no vermelho, a queda alcançou 3,29%, elevando para 15,89% as perdas acumuladas no ano. Ontem, o volume financeiro negociado no pregão aumentou um pouco, para R$ 6,5 bilhões. As ações da BM&FBovespa foram um dos principais destaques negativos, reagindo às medidas cambiais anunciadas, ontem, pelo governo com o objetivo de conter a apreciação do real.As ações caíram 5,45% no papel ON, refletindo o receio de que as medidas afetem o desempenho financeiro da BM&FBovespa, já que a tendência é que diminuam os negócios no mercado cambial de derivativos.

Claudia Violante,

28 de julho de 2011 | 02h04

Nos EUA, o Dow Jones teve sua quarta queda seguida, ao recuar 1,59%, o S&P cedeu 2,03% e o Nasdaq declinou 2,65%. Os investidores estão apreensivos com o persistente impasse sobre a elevação do teto da dívida norte-americana.

As novas medidas conseguiram resgatar o dólar da menor cotação em mais de 12 anos e a moeda registrou ontem a maior variação diária em um ano. Após subir mais de 2% pela manhã, a moeda norte-americana desacelerou o ganho para 1,50%, cotada a R$ 1,5590 no balcão, ajudada também pelo exterior. As medidas trouxeram insegurança aos juros futuros, que subiram com o receio de que o dólar deixe de ser um instrumento de política monetária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.