Bovespa começa o mês com queda de 3,16%

Queda foi puxada, principalmente, pelas ações da Vale. Petrobras e siderúrgicas também ajudaram

Claudia Violante, da Agência Estado,

01 de agosto de 2008 | 18h14

A mudança de mês foi apenas efeito calendário para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que continuou a ter mais do mesmo, embora hoje tenha sido muito, muito mais. O Ibovespa derreteu 3,16%, por causa principalmente das ações da Vale. Petrobras e siderúrgicas também ajudaram na queda. Veja também: Valor de mercado de empresas brasileiras é o menor em um ano Bovespa amarga mês de prejuízo e fica na lanterna das rentabilidades O Ibovespa terminou o primeiro pregão de agosto em baixa de 3,15%, aos 57.630,4 pontos. Oscilou entre a mínima de 57.492 pontos (-3,38%) e a máxima de 59.505 pontos (estabilidade). Em 2008, acumula perdas de 9,79%. O volume financeiro foi fraco e totalizou apenas R$ 4,182 bilhões (preliminar).  A princípio, a Bovespa acompanhou o desempenho das bolsas norte-americanas, que caíram com o dado de desemprego e com o péssimo balanço da GM. O indicador mais aguardado do dia era o relatório do mercado de trabalho, mas ele foi melhor do que o previsto embora tenha sido ruim: houve corte de 51 mil vagas, enquanto as previsões eram ainda piores, de corte de 65 mil vagas. Mas os especialistas focaram o desemprego, que atingiu 5,7%, maior patamar desde março de 2004. E um dos setores que têm ajudado a engrossar estas estatísticas do mercado de trabalho é o automotivo, e a GM mostrou que as coisas por lá estão ruins. A empresa teve um prejuízo de US$ 27,33 por ação, enquanto era previsto perdas de US$ 2,62. O ISM industrial, no entanto, não mostrou contração como era previsto e ajudou a conter as perdas das bolsas, embora o petróleo tenha atuado na outra ponta ao fechar em alta. Dow Jones recuou 0,45%, aos 11.326,3 pontos, S&P teve perdas de 0,56%, aos 1.260,31 pontos, e Nasdaq, de -0,63%, 2.310,96 pontos. Na Nymex, o contrato do petróleo para setembro subiu 0,82%, para US$ 125,10.  Vale hoje foi a líder de baixas do Ibovespa. Queda dos metais, atividade mais fraca na China - com conseqüente queda nas compras de minério futuramente - e saída de estrangeiros justificaram o tombo. Vale ON perdeu 6,23% e Vale PNA, 5,88%. Petrobras também pesou sobre o Ibovespa ao cair 3,78% as ações ON e 3,87% as PN, na contramão do petróleo. Apenas nove ações terminaram em alta hoje no Ibovespa: o melhor desempenho ficou com Cesp PNB (2,06%). Mercado cambial Com fortes ingressos de recursos, o dólar à vista iniciou o mês de agosto testando a marca psicológica de R$ 1,60, apesar da maior aversão a risco no mercado por causa da desaceleração da economia global. O dólar na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) terminou a sessão abaixo desse patamar, em queda de 0,28%, a R$ 1,5582. No balcão, a moeda ficou estável, em R$ 1,562 pelo segundo dia seguido, mas chegou a recuar até R$ 1,556 (-0,38%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.