Bovespa despenca 5% influenciada pela queda nas commodities

Na Europa, bolsas fecham em baixa influenciadas pelo aumento da cautela com o setor bancário

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

19 de março de 2008 | 16h07

A queda no preço das commodities no exterior e a conseqüente baixa nas ações da Petrobras e da Vale levam a Bolsa de Valores de São Paulo a cair mais de 5% nesta quarta-feira. Às 17h14, o principal índice da Bovespa caía 5,01%, depois de bater a mínima de 5,04% pouco antes. Na Europa, as principais bolsas fecharam em baixa depois de perderem o vigor inicial gerado pelo corte no juro anunciado na terça-feira pelo Federal Reserve.  Veja também: Dólar sobe quase 2%, mas fluxo ao país sinaliza quedaResultado do Morgan Stanley é melhor que o previsto 'Crise é 30 vezes maior que a de 1998', diz LulaDepois de corte de juros nos EUA, Bovespa fecha na máxima Juro americano cai para 2,25% e Fed sinaliza novas reduções Petróleo fecha perto de US$110 com corte de juro do FedCronologia da crise financeira   A redução na taxa dos Fed Funds em 0,75 ponto porcentual, para 2,25%, na tarde de terça-feira trouxe alguma confiança de volta aos mercados europeus na abertura desta quarta, mas as transações foram hesitantes, com as preocupações atuais sobre a crise de crédito atingindo os volumes e o sentimento do mercado. "Eu penso que o movimento do Fed indica que ainda não alcançamos o ponto de virada na sua política. O mercado está claramente assumindo a avaliação de que as taxas vão cair mais", disse Jeremy Batstone-Carr, estrategista de ações da Charles Stanley. "Uma pessoa pode sugerir que indicadores econômicos adicionais vão mostrar que a economia está fraca e, como conseqüência, não podemos dizer que atingimos o fundo do poço ainda", acrescentou. Em Londres, o índice FT-100 caiu 60,2 pontos (1,07%) para 5.545,6 pontos; em Paris, o índice CAC-40 recuou 26,64 pontos (0,58%) e fechou com 4.555,95 pontos; em Frankfurt, o índice Xetra-Dax caiu 32,17 pontos (0,50%) e fechou com 6.361,22 pontos. Na Bolsa de Londres, as ações do HBOS surpreenderam os analistas de mercado ao mergulharem em território negativo. As ações do banco de poupança e hipotecário do Reino Unido atingiram a mínima em 10 anos, em meio a rumores de crise de liquidez. O HBOS ainda conseguiu recuperar parte perdas e fechou em baixa de apenas 7,08%. Contudo, as ações acumulam uma desvalorização de 32% no último mês. Os rumores sobre a HBOS atingiram outros bancos hipotecários britânicos: as ações da Bradford & Bingley caíram mais de 5% e as da Alliance & Leicester fecharam em baixa de 2,72%. As ações do Royal Bank of Scotland recuaram 2,91%. Por outro lado, as ações do Standard Chartered subiram 3,22%, as do Lloyds TSB avançaram 2,58% e as do Barclays fecharam em alta de 2,42%. Em Helsinki, as ações da Nokia fecharam em baixa de 5,87%, enquanto as da alemã Deutsche Telekom chegaram a despencar 12% durante grande parte do dia antes de moderarem as perdas para 6,94% no fechamento em Frankfurt. A Deutsche Telekom, maior companhia de telecomunicações da Europa, disse que as vendas e lucros da sua unidade T-Home provavelmente vão cair em 2008, o que provocou uma forte baixa das ações. Em Madri, o índice Ibex-35 caiu 65,80 pontos (0,50%) e fechou com 12.964,70 pontos; em Milão, o índice S&P/MIB recuou 564 pontos (1,79%) e fechou com 30.873 pontos; em Lisboa, o índice PSI-20 caiu 6,62 pontos (0,07%) e fechou com 10.059,91 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaCrise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.