Bovespa destoa de NY e atinge maior nível em cinco meses

A semana começou positiva para a Bovespa, que cravou, nesta segunda-feira de estreia das novas ações da Petrobrás, sua melhor pontuação desde o último dia 26 de abril. A Bolsa brasileira subiu 0,91%, para 68.815,97 pontos, no sentido contrário ao das bolsas norte-americanas. Os ganhos foram amparados pelo bom desempenho das blue chips Vale e Petrobrás, sendo que os papéis da estatal, sozinhos, movimentaram 31% do volume total Bolsa, de R$ 6,856 bilhões. E, mais uma vez, Vale fez a diferença pelo lado positivo, com a PNA avançando 2,10% e a ON, 1,83%, ainda repercutindo o programa de recompra de ações e a remuneração extraordinária ao acionista anunciados pela mineradora na sexta-feira. Em dia de fraca agenda econômica, os índices em Wall Street recuaram em razão de realização de lucros, após quatro semanas consecutivas de ganhos. A queda das bolsas nos EUA foi puxada especialmente pelas ações do setor financeiro. O índice Dow Jones cedeu 0,44%.

Cenário: Sueli Campo, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2010 | 00h00

No mercado de câmbio, o Banco Central ontem deixou de lado a estratégia de fazer dois leilões de compra no mesmo dia, atuando uma única vez, o que não evitou a queda do dólar, que fechou cotado a R$ 1,7090 (-0,12%). O ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou a alertar que o governo não vai permitir a sobrevalorização do câmbio e que, passada a capitalização da Petrobrás, espera para ver se haverá ''calmaria''.

Os comentários do ministro puxaram para cima as taxa de juros futuros, sobretudo as longas. O contrato com vencimento em janeiro de 2013 subiu para 11,87% ao ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.