carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Bovespa diz que o PT só questiona o preço das ações do BB

O presidente da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), Raymundo Magliano Filho, disse nesta terça-feira não acreditar que o PT seja contra a venda das ações do Banco do Brasil, iniciada hoje pelo BNDES. "A questão parece ser o preço e não a decisão da venda propriamente dita", disse.Magliano considerou positivo o fato de o governo ter optado por uma oferta pública interna pulverizada, que dará condições aos trabalhadores comprarem as ações inclusive com a utilização do FGTS.Para o presidente da Bovespa, é difícil avaliar, no momento, se as ações do BB estão baratas demais como critica o PT para solicitar o adiamento da operação. "De ontem para hoje o preço já variou positivamente", afirmou.Para isso, segundo ele, contribuiu o anúncio do início da operação e o resultado do BB, de lucro de R$ 1,4 bilhão nos primeiros noves meses do ano. De acordo com Magliano se as ações realmente estiverem baratas quem vai ganhar é a população, que está tendo oportunidade de adquirir os papéis.O presidente da bolsa esteve hoje em Brasília para tratar com o senador Antônio Carlos Magalhães Júnior (PFL-BA) da tramitação do projeto de lei que permite a destinação para o mercado de ações de 1% do recolhimento mensal feito pelas empresas nas contas dos trabalhadores no fundo, que hoje é de 8% do salário.O senador, que ajudou na confecção da proposta, feita em conjunto com a Associação Brasileira dos Analistas do Mercado de Capitais (Abasmec) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM) se comprometeu a apresentar o texto final do projeto na quinta-feira, na Comissão de Constituição e Justiça.De acordo com Magliano, a experiência já promovida pelo governo, de permitir a utilização do FGTS na compra de ações da Petrobras, Vale do Rio Doce e agora Banco do Brasil, demonstra que os trabalhadores querem ter acesso a esse mercado. "Vamos destinar apenas uma parte pequena do fluxo, sem mexer no estoque, para a aquisição de ações preferenciais resgatáveis", disse. Segundo o presidente da Bovespa a aplicação totalizaria, a cada ano, R$ 2,6 bilhões.

Agencia Estado,

05 de novembro de 2002 | 20h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.