Bovespa e NY abrem em alta seguindo exterior; dólar recua

Contração no PIB dos EUA não foi suficiente para estragar o bom humor dos investidores; Ásia fecha em alta

Redação,

30 de outubro de 2008 | 12h02

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta nesta quinta-feira, 30, seguindo o desempenho dos mercados internacionais. Os índices da Bolsa de Nova York também iniciaram o pregão no terreno positivo, após a contração de 0,3% do PIB dos EUA no terceiro trimestre deste ano em comparação com o segundo. A previsão de consenso dos analistas entrevistados pela Dow Jones era de uma queda maior, de 0,5%. Às 11h59 (de Brasília), o Ibovespa subia 5,79%, aos 36.863 pontos. No mesmo horário, o dólar caía 1,12%, cotado a R$ 2,116.  Veja também:Veja os reflexos da crise financeira em todo o mundoVeja os primeiros indicadores da crise financeira no BrasilLições de 29Como o mundo reage à crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitosEspecialistas dão dicas de como agir no meio da crise Dicionário da crise   Apesar da queda, e do fato de o PIB ter mostrado a maior contração dos gastos dos consumidores em 28 anos, de 3,1%, o indicador não foi suficiente para estragar o bom humor dos investidores, num dia em que os pregões na Ásia fecharam com valorizações expressivas e as bolsas européias sobem. Por volta das 11h30 (de Brasília), Dow Jones subia 1,67%, Nasdaq avançava 2,49% e S&P tinha alta de 1,37%. "Você está vendo um mercado em busca de recuperação agora; parece que descobrimos que o caminho de menor resistência é o de alta", disse o analista chefe de mercados da Jefferies, Art Hogan. "O PIB olha para trás e nós já sabemos que enfrentamos uma desaceleração econômica." Segundo ele, o mercado deve prestar mais atenção aos pedidos de auxílio-desemprego. O número ficou inalterado em relação ao da semana passada, melhor do que muitos economistas esperavam, embora a média das previsões fosse de queda de 3 mil.  Por aqui, o Banco Central anunciou que fará nesta quinta, das 14h45 às 15 horas, um novo leilão de venda de dólares com recompra em três vencimentos. Segundo o BC, os dólares serão recomprados em 1º de dezembro de 2008 (28 dias corridos), 2 de janeiro de 2009 (60 dias corridos) e 2 de fevereiro de 2009 (91 dias corridos). Segundo o comunicado do BC, cada instituição financeira poderá realizar uma proposta por vencimento com apresentação da taxa de câmbio para recompra com, no máximo, seis casas decimais. Juro Na quarta-feira, o Comitê de Política Monetária do Banco Central  (Copom) decidiu manter a taxa Selic estável em 13,75% ao ano. A justificativa para a decisão foi o ambiente de maior incerteza. "Avaliando o cenário prospectivo e o balanço de riscos para a inflação em ambiente de maior incerteza, o Copom decidiu por unanimidade neste momento manter a taxa Selic em 13,75% ao ano, sem viés", afirma a nota à imprensa do Banco Central.  Já o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) decidiu por um corte da taxa básica de juros dos Estados Unidos em 0,50 ponto porcentual na quarta-feira, para 1% ao ano, o nível mais baixo desde entre junho de 2003 e junho de 2004.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespamercadoscrise nos EUANY

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.